Cinco Votos para Obter Poder Espiritual.

Primeiro - Trate Seriamente com o Pecado. Segundo - Não Seja Dono de Coisa Alguma. Terceiro - Nunca se Defenda. Quarto - Nunca Passe Adiante Algo que Prejudique Alguém. Quinto - Nunca Aceite Qualquer Glória. A.W. Tozer

quarta-feira, 28 de novembro de 2012

Os bem aventurados

Estudo Salmo 23



O Salmo 23 é uma parábola e contêm várias figuras. O cálice transbordante é símbolo de alegria ou de ignominia? A mesa preparada propõe reconciliação com o inimigo, ou aponta para a vítima da festa? A parábola tem em vista um rebanho, ou é uma profecia acerca de uma ovelha específica? O Salmo 23 só ganha sentido quando analisado sob o prisma da vítima perfeita escolhida e preservada por Deus: o Cordeiro de Deus que tira o pecado do mundo: "Mas Jesus disse a Pedro: Põe a tua espada na bainha; não beberei eu o cálice que o Pai me deu?" ( Jo 18:11 ).


    1. O SENHOR é o meu pastor, nada me faltará.
    2. Deitar-me faz em verdes pastos, guia-me mansamente a águas tranquilas.
    3. Refrigera a minha alma; guia-me pelas veredas da justiça, por amor do seu nome.
    4. Ainda que eu andasse pelo vale da sombra da morte, não temeria mal algum, porque tu estás comigo; a tua vara e o teu cajado me consolam.
    5. Preparas uma mesa perante mim na presença dos meus inimigos, unges a minha cabeça com óleo, o meu cálice transborda.
    6. Certamente que a bondade e a misericórdia me seguirão todos os dias da minha vida; e habitarei na casa do SENHOR por longos dias.

Introdução
À época de Jesus, os judeus liam diariamente as Escrituras porque entendiam que elas contêm vida eterna, porém, quando a vida eterna que estava junto ao Pai se manifestou, rejeitaram o Verbo da vida ( 1Jo 1:1 -2; Rm 2:20 ). É neste contexto que Jesus disse: "Examinais as Escrituras, porque vós cuidais ter nelas a vida eterna, e são elas que de mim testificam" ( Jo 5:39 ).
Para analisar o Salmo 23, seguiremos a orientação de Jesus: “São elas (as Escrituras) que de mim testificam”, ou seja, os salmos, os profetas e a lei apresentam o testemunho de Cristo “E disse-lhes: São estas as palavras que vos disse estando ainda convosco: Que convinha que se cumprisse tudo o que de mim estava escrito na lei de Moisés, e nos profetas e nos Salmos” ( Lc 24:44 ).
O salmista Davi era profeta e os seus cânticos são profecias acerca de Cristo em forma de poesia ( Mc 12:36 ; At 2:30 e 1Cr 25:1 ).
O Salmo 23 nos faz lembrar que todos os que creem em Cristo são ovelhas do Seu rebanho, porém, diferente do que muitos foram condicionados a pensar, o Salmo 23 não apresenta a expressão de um rebanho de ovelhas, antes é a expressão de confiança de uma ovelha específica: ‘O Senhor é o meu pastor...’, e não o Senhor é o ‘nosso’ pastor.
O segredo para interpretar as figuras e os enigmas do Salmo 23 está em descobrir quem é a pessoa que expressa tamanha confiança em Deus. Como o salmo 23 não foi composto da perspectiva de um rebanho, antes apresenta a perspectiva de uma única ovelha, devemos responder a pergunta feita pelo eunuco da rainha de Candace: "E, respondendo o eunuco a Filipe, disse: Rogo-te, de quem diz isto o profeta? De si mesmo, ou de algum outro?" ( At 8:34 ).
Através da exposição de Filipe fica claro que um profeta não profetiza acerca de si mesmo. Como profeta, Davi não foi diferente de Isaias, ambos profetizavam acerca do Messias. Para descobrir quem é a pessoa que assume a condição de ovelha confiante em Deus é essencial visualizar os salmos como profecias que apresentam aspectos da vida, morte e ressurreição de Cristo.
Há um aspecto essencialmente importante a se considerar antes de interpretar o Salmo 23: a vítima da festa. Para um cordeiro ser oferecido em holocausto, segundo a lei, devia ter um ano de idade e sem defeito algum, portanto, para a oferta ser agradável a Deus, o pastor devia dispensar um cuidado especial para com a vítima.
O cuidado do pastor era indispensável para que a ovelha chegasse à idade estabelecida sem qualquer defeito como cegueira, quebradura, aleijamento, verrugas, sarnas, impigens, etc. "O cordeiro, ou cabrito, será sem mácula, um macho de um ano, o qual tomareis das ovelhas ou das cabras" ( Êx 12:5 ).
Diante da necessidade e do volume de oferendas pela expiação, as ovelhas para o sacrifício tinham que receber cuidados especiais para não faltar vítimas de um ano e sem defeito. O cuidado do pastor era indispensável para que a ovelha estivesse à altura da sua missão: posta como vítima da festa para expiação ( Nm 6:14 ).
Deus escolheu Cristo como a vítima da festa a ser atada sobre o altar ( Sl 118:27 ), concomitantemente, o Cordeiro de Deus recebeu um cuidado específico e efetivo para cumprir a missão do Sumo Pastor, que colocou a alma de Cristo por expiação dos pecados da humanidade ( Is 53:10 ).
O Salmo 23 apresenta o Cordeiro de Deus sob cuidado do Sumo Pastor, pois Ele foi enviado como a vítima para o sacrifício perfeito ( Is 53:7 ). Muitos, equivocadamente, buscam e pedem a proteção exarada no Salmo 23, porém, não atinam que a proteção nele descrita tem em vista um cálice "Jesus, porém, respondendo, disse: Não sabeis o que pedis. Podeis vós beber o cálice que eu hei de beber, e ser batizados com o batismo com que eu sou batizado? Dizem-lhe eles: Podemos" ( Mt 20:22 ).
O salmo 23 é uma parábola, e como parábola contém várias figuras que compõe um enigma. Primeiro desvendaremos as figuras que compõe o enigma e, ao final da releitura do Salmo 23, apresentaremos o significado da parábola.

O Inferno em que Rob Bell se Meteu


Acabo de ler a entrevista que Rob Bell deu à revista VEJA desta semana (28/11/2012) com o título “Quem falou em céu e inferno?”. A entrevista provocou intensa polêmica nas redes sociais. Rob Bell se tornou uma figura polêmica quando passou a pregar a salvação de todos os seres humanos no final (universalismo) negando, assim, a realidade do inferno. Este ano ele deixou a igreja que fundou, a Mars Hill Bible Church – não confundir com a Mars Hill Church do Mark Driscoll, uma não tem nada a ver com a outra – para se dedicar ao ministério itinerante percorrendo, segundo a revista VEJA, “o mesmo circuito das bandas de rock”.
Inteligente, carismático, conectado e bom comunicador, Rob Bell tem atraído muitos jovens evangélicos no Brasil, especialmente após o lançamento de seu livro O Amor Vence no ano passado e seus vídeos muito bem produzidos no YouTube.
Achei a entrevista dele extremamente esclarecedora, mesmo considerando que estas entrevistas são editadas e por vezes amputadas pelos editores e raramente publicadas na íntegra. Se o que temos na VEJA é realmente o pensamento de Rob Bell, então declaro aqui que poucas vezes na minha vida vi uma figura religiosa de prestígio se contradizer tanto em um espaço tão curto. É por isto que esta entrevista é esclarecedora. Qualquer evangélico de bom senso, que tenha um mínimo de conhecimento bíblico e que saiba seguir um raciocínio de maneira lógica irá se perguntar o que Rob Bell tem que atrai tanta gente.
Vou começar reconhecendo o que não há de tão ruim na entrevista. Bell se posiciona contra o aborto e reconhece as limitações do darwinismo para explicar a totalidade da existência, embora aceite que Deus poderia ter usado o processo evolutivo como o método da vida.  
Bell também está certo quando diz que céu e inferno são “como dimensões da nossa existência aqui e agora”. Concordo com ele. Os ímpios já experimentam aqui e agora, alguns mais e outros menos, os sofrimentos iniciais do inferno que se avizinha. Da mesma forma, os salvos pela fé em Cristo, pela graça, já experimentam o céu aqui e agora, embora de forma limitada. Lembremos que Jesus disse que quem crê nele já tem a vida eterna. O Espírito em nós é o penhor da nossa herança e nos proporciona um gosto antecipado do que haverá de vir.
Surpreendente para mim foi ver que nesta entrevista Bell não nega o céu ou o inferno depois da morte, mas sim que possamos saber com certeza que eles existem depois da morte. Nas suas próprias palavras, “acredito que céu e inferno são realidades que se estendem para a dimensão para a qual vamos ao morrer, mas aí já entramos no campo da especulação”. A “bronca” dele é com a certeza e a convicção que as igrejas e os evangélicos têm de que após a morte existe céu e inferno. “Vamos pelo menos ser honestos. Ninguém sabe o que acontece quando morremos. Não tem fotografia, não tem vídeo”. É claro que, por este critério, também não podemos ter certeza se Deus existe ou que Jesus existiu, pois não temos nem foto nem vídeo deles – que eu saiba...

terça-feira, 27 de novembro de 2012

Pr. Neil Barreto

Watch live streaming video from pibrecreio at livestream.com

Fé, lágrimas e utopia

     Eu também tenho mais perguntas do que respostas. Mas das respostas já não faço questão. Madame Guyon disse que “se as respostas às perguntas da vida são absolutamente necessárias para você, então esqueça a viagem. Você nunca chegará lá, pois esta é uma viagem de incógnitas, de perguntas sem resposta, de enigmas, de coisas incompreensíveis e, principalmente, injustas”. Andamos por fé. A fé não tem a ver com certezas, mas com confiança. Confiança em Deus, seu caráter justo, amoroso e bom. Jesus também fez uma pergunta e não obteve resposta. O que lhe doía não era a a falta de explicações, mas o desamparo. No dia da tragédia não precisamos de respostas, precisamos de alguém. Deus é suficiente para compreender nossa perplexidade, assumir posição de réu sob nossas dúvidas, e sofrer o peso da nossa dor. Assim creram os antigos: Deus é nosso refúgio e fortaleza, socorro bem presente na tribulação, pois nem a morte, pode nos separar do amor de Deus que está em Cristo Jesus, nosso Senhor.
    Eu também choro. Sei que a vida continua, que não posso ficar preso ao passado, que devo levantar a cabeça e seguir em frente, que tenho ainda minha própria vida para viver… Mas antes preciso chorar. Preciso acolher meu sofrimento, dar a ele boas vindas, permitir que a tragédia faça seu caminho até o mais profundo do meu coração, fazer com que a dor traga de volta lembranças abafadas pela correria da vida, promova arrependimentos, desperte sonhos adormecidos, traga para a luz memórias de afeto e alegria. Assim posso purgar tudo isso sem medo, vencer a escuridão com a coragem de chorar. Oferecer minhas lágrimas como a mais legítima das orações e o meu pranto como o mais sublime tributo de amor. Jesus também chorou diante da morte. Deus é suficiente para nos outorgar perdão, redimir palavras e gestos, recolher as palavras e gestos que jamais deveriam ter ganho concreção, e dar destino ao que ficou por dizer e fazer. Deus é bom e sabe amar, capaz de enxugar nossas lágrimas e dar sentido e significado ao nosso sofrimento. Assim creram os antigos: a tribulação produz.
     Eu também fico indignado. Também não me conformo com os desmandos de um país que agoniza sob incompetências, negligências, imperícias, imprudências, e, principalmente, a corrupção sistêmica e a injustificada impunidade. Mas não vou permitir que isso me torne cínico e cético. Vou dar mais ouvidos aos idealistas, me agarrar às forças das utopias, me deixar levar nas asas da esperança. Vou arregaçar as mangas, arar a terra e semear o solo regado com o sangue dos justos e inocentes. Vou repartir como meu próximo os frutos do meu sofrimento, compartilhar o labor com tantos irmãos que ainda não se curvaram diante da mediocridade, não se deixaram vencer pelas forças das trevas, e não se intimidaram face aos promotores e mantenedores da morte. Jesus também sofreu, e não desistiu. Jesus também morreu. E sua ressurreição é não apenas convocação para a luta, mas garantia de vitória. Assim creram os antigos: eu sei que meu Redentor vive, e que por fim se levantará sobre a terra!

Pr. Ed René Kivitz

Jamie Foxx chama Obama de “nosso Senhor e Salvador”

 

Julio Severo
Jamie Foxx, ator vencedor de Oscar, recentemente chamou Barack Obama de “nosso Senhor e Salvador”.
A declaração surpreendente ocorreu numa transmissão gravada de uma premiação musical da Rede Negra de Entretenimento no domingo passado. A gravação, com legenda em português, está aqui: 



Literalmente, Jamie Foxx disse: “Primeiramente, deem honra a Deus e nosso Senhor e Salvador Barack Obama. Barack Obama”.
Daí, vê-se que os americanos não escolheram apenas um presidente. Eles escolheram um substituto para Jesus Cristo.
A vitória eleitoral de Obama se deu em grande parte aos cristãos progressistas das grandes denominações protestantes e também aos cristãos negros e hispânicos.
Noventa e cinco por cento dos protestantes negros e 75% dos católicos hispânicos votaram em Obama.
Em grande parte, os negros protestantes e os hispânicos católicos se opõem ao aborto e ao “casamento” gay, mas programas e promessas esmoleiras socialistas apelam mais entre eles do que valores morais e valores familiares.
Cristãos progressistas sempre acabam dando para suas nações um novo senhor e salvador.
Obama é prova disso.
Com informações de Newsbusters e CNN.

segunda-feira, 26 de novembro de 2012

O que é ser cheio do Espirito Santo

A vida é uma festa, mas sem Jesus ela acaba

Pr Neil Barreto

Esta passagem fala de quem mata um crente?

Não, por mais sério que seja alguém matar qualquer pessoa, seja ela crente em Cristo ou não, este não é o assunto da passagem de 1 Coríntios 3:17, e isto fica claro pela expressão "que sois vós" no final, indicando um sentido coletivo, não indvidual: "Se alguém destruir o templo de Deus, Deus o destruirá; porque o templo de Deus, que sois vós, é santo".



Para entender é preciso lembrar que a Palavra de Deus chama de "templo" não apenas o corpo físico do cristão individualmente, mas a Igreja como um todo, cuja expressão local é a assembleia onde dois ou três estão congregados ao nome do Senhor.

Às vezes esta passagem não é compreendida porque em 1 Coríntios 6:10 o assunto é o corpo do crente, individualmente, e do cuidado que devemos ter de não contaminarmos este corpo unindo-o a uma meretriz: "Ou não sabeis que o vosso corpo é o templo do Espírito Santo, que habita em vós, proveniente de Deus, e que não sois de vós mesmos?". Embora ele fale no plural, "vosso corpo", o assunto é claramente individual por tratar-se de relação sexual ilícita.

Já em 2 Coríntios 6:16 creio podermos aplicar o que Paulo diz tanto no sentido individual como coletivo: "E que consenso tem o templo de Deus com os ídolos? Porque vós sois o templo do Deus vivente, como Deus disse: Neles habitarei, e entre eles andarei; e eu serei o seu Deus e eles serão o meu povo". A contaminação por idolatria (e entenda como idolatria qualquer coisa à qual é dada mais importância do que Deus, seja isso dinheiro, família, diversões etc.) pode ser tanto individual como coletiva.

Mas na passagem que você mencionou de 1 Coríntios 3:17 o sentido é coletivo e também congregacional, pois está falando da "casa de Deus", que é o aspecto administrativo da morada de Deus em Espírito, o mesmo aspecto tratado em 1 Timóteo e 2 Timóteo, em que cada um individualmente é um vaso e tem sua responsabilidade na construção. Infelizmente a "casa de Deus" de 1 Timóteo haveria de se transformar na "grande casa" de 2 Timóteo (este é o tempo em que vivemos), onde há vasos (indivíduos) de todos os tipos, uns para honra e outros para desonra:

"Mas, se tardar, para que saibas como convém andar na casa de Deus, que é a igreja do Deus vivo, a coluna e firmeza da verdade... Ora, numa grande casa não somente há vasos de ouro e de prata, mas também de pau e de barro; uns para honra, outros, porém, para desonra. De sorte que, se alguém se purificar destas coisas, será vaso para honra, santificado e idôneo para uso do Senhor, e preparado para toda a boa obra" (1 Tm 3:15; 2 Tm 2:20-21).

Vamos ao contexto da passagem que você citou:

Virgindade subversiva

Sarah Hinlicky, 12 anos após
 escrever esse artigo, casada.

Tá, eu admito. Eu tenho 22 anos e ainda sou virgem. Não por falta de oportunidade, minha vaidade se apressa para acrescentar. Se eu tivesse me sentido muito sobrecarregada por minha inocência antiquada, eu poderia ter encontrado alguém para resolver o problema. Mas nunca o fiz.
Nossa cultura me diz que alguma força opressiva deveria ser a causa da minha virgindade tardia – talvez um excessivo temor de homens, de Deus ou de ser pega no flagra. Talvez seja isso mesmo, já que eu posso apontar um número de influências que me levaram a permanecer virgem. Minha mãe me ensinou que auto-respeito exige autocontrole, e o meu pai me ensinou a exigir o mesmo dos homens. Eu sou bastante caipira para suspeitar que contraceptivos talvez não bastem para prevenir uma gravidez indesejada ou uma DST, e eu acho que aborto é matar um bebê. Eu realmente acredito na doutrina cristã da lei e da promessa, que significa que os dez mandamentos ainda estão entranhados na minha consciência. E ainda sou ingênua o suficiente para acreditar em um permanente, exclusivo e divinamente ordenado amor entre um homem e uma mulher, um amor tão valoroso que me motiva a manter as minhas pernas firmemente cruzadas nas mais tentadoras situações.
Definindo a sexualidade
Apesar de tudo isso, eu ainda acho que tenho um quê de feminista, já que a virgindade tem o resultado de criar respeito e de defender o valor da mulher assim disposta. Mas descobri que o reinado do feminismo de hoje vê pouco uso nisso. Houve um tempo quando eu era boba o bastante para procurar na literatura entre as publicações para mulheres que poderiam oferecer suporte nessa minha decisão pessoal. (Tudo é uma questão de escolha, afinal de contas, não é?) A escassez de informação sobre virgindade pode levar alguém a acreditar que o assunto é um tabu. Entretanto, eu fui bastante feliz ao descobrir um pequeno artigo sobre o assunto que referenciava o volume do feminismo, Our Bodies, Ourselves (Nossos Corpos, Nós mesmos – tradução livre).

sexta-feira, 23 de novembro de 2012

A Feitura de um Adorador




Êxodo 14 descreve um incrível momento na história de Israel. Os israelitas tinham acabado de sair do Egito sob a direção sobrenatural de Deus; agora estavam sendo ferozmente perseguidos pelo exército do faraó. Eles tinham sido levados a um vale cercado em ambos os lados por montanhas íngremes, e à frente havia um mar bloqueando o caminho. Eles ainda não sabiam, mas estavam prestes a vivenciar a noite mais negra e tempestuosa de suas almas. Eles enfrentariam uma noite cheia de agonia, pânico e desespero que testaria até o extremo os seus limites.

Tenho certeza que você conhece esse capítulo da história de Israel. A maioria dos cristãos sabe o quê aconteceu no mar Vermelho, e como Deus livrou milagrosamente o povo escolhido. Mas você pode se perguntar o que esse incidente tem a ver com o título da mensagem, "A Feitura de um Adorador".

Eu creio que essa passagem tem tudo a ver com como Deus transforma o Seu povo em adoradores. Na verdade, nenhum outro capítulo da Bíblia demonstra isso de modo mais intenso. Veja, adoradores não são feitos durante avivamentos; não são feitos em dias cheios de sol, dias de vitória e de saúde; adoradores não são feitos quando se vê o inimigo fugindo em debandada. A verdade é a seguinte: os adoradores de Deus são feitos durante as noites negras de tempestades. E o modo pelo qual respondemos às nossas tempestades determina exatamente que tipo de adoradores nós somos.

Hebreus 11 nos dá esta imagem de Jacó em idade avançada: "Pela fé, Jacó, quando estava para morrer, abençoou cada um dos filhos de José e, apoiado sobre a extremidade do seu bordão, adorou" (Heb. 11:21). Por que Jacó é retratado dessa maneira nos dias de sua morte?

Primeiro, precisamos notar que Hebreus 11 é o capítulo conhecido como a "Galeria da Fé" da Bíblia. Jacó é apenas uma das várias figuras listadas neste capítulo, como um exemplo de fé que devemos emular nestes últimos dias. Cá está um homem que havia atravessado tormenta após tormenta; ele e sua família viveram experiências dramáticas a cada passo. O próprio Jacó enfrentou pessoalmente muitas dores, sofrimentos e agonias em seus anos na terra.

Agora Jacó sabia que sua vida estava para acabar. É por isso que o vemos dando sua bênção aos netos. E, o que Jacó faz ao rever os acontecimentos de sua vida? Ele é levado a adorar. Nenhuma palavra é proferida por esse homem. Mesmo assim, ao se apoiar sobre seu bordão, maravilhado pela vida que Deus lhe deu, ele "adorou" (11:21).

quinta-feira, 22 de novembro de 2012

O pecado sobre o qual ninguém falará


Inveja é como uma mosca que passa por todas as partes do corpo e permanece sobre as feridas. – Arthur Chapman
Existe um pecado que ninguém no nosso mundo realmente quer discutir. É um pecado elegante, que alimenta nossos grandes movimentos sociais e se tornou um motor da nossa política.
É o pecado da inveja. Nós amamos falar sobre ganância. Se você procurar no Google a palavra “ganância”, você encontrará milhares de sermões, artigos, discursos políticos, posts em blogs, etc. Nós assumimos que quem quer que seja rico é ganancioso, simplesmente porque nós vinculamos a ganância ao sucesso, como se os pobres não pudessem ter atitudes más em relação ao dinheiro.
De fato, a ganância é um problema terrível. E há alguns em posição de poder e riqueza que têm o dinheiro como deus. Mas a prima da ganância, a inveja, é uma senhora tão poderosa quanto, apenas disfarçada com vestimentas mais nobres. A inveja se mascara como populismo. Simplesmente preste atenção na maneira como falamos hoje. Se um certo CEO ganha muito dinheiro, achamos injusto porque NÓS não podemos ter tanto dinheiro quanto ele. Se um político está em uma posição de poder, nós o odiamos porque ele está onde está e porque estou onde estou. Se um pastor popular fica cada vez mais popular, temos que procurar por pecados doutrinários para desacreditá-lo e assim, trazê-lo ao nosso nível. Não toleramos que alguém tenha o que não temos.
Inveja é um pecado traiçoeiro. Ainda assim, não pregamos sobre ele. Nós não alertamos sobre seus perigos. Pelo contrário, deixamos a inveja reinar em nossa cultura, porque ela movimenta nossa economia. Veja os comerciais da TV no horário nobre. O que está no cerne de cada um? Não é a inveja? Não é aquela mentira “você merece essa novidade. Você trabalhou duro. Porque você não deveria ter o que os outros têm?”.
Como seguidores de Jesus, deveríamos prontamente nos afastar da ganância. E nós deveríamos promover a justiça, sujar nossas mãos e servir aos pobres. Deveríamos trabalhar pesado para aliviar o sofrimento humano. Mas devemos nos assegurar de que a inveja não alimente o nosso ativismo. Nós devemos nos assegurar de que não pregamos um evangelho falso aos oprimidos dizendo: “Deus tem sido injusto com você. Outros têm o que você não tem. Jesus vai equiparar as coisas.”
O verdadeiro evangelho oferece algo mais rico que a inveja. Ele oferece nova e abundante vida em Cristo. Ele oference uma esperança que transcende à euphoria plástica e barata que os bens terrenos prometem. Ele oferece o próprio Deus, na Pessoa de Jesus. O evangelho oferece um “eterno peso de glória” (2 Corintios 4.7). Quando chegarmos ao céu, nenhum pecador resgatado, comprado pelo sangue, jamais dirá: “Não é uma vergonha eu não ter tido tanto dinheiro quanto Bill Gates?”. Não, provavelmente nós diremos: “Você acredita que nós desejamos aqueles ídolos passageiros?”.
Não paremos de pregar contra a ganância. Mas também não nos esqueçamos de pregar contra a inveja. Sejamos felizes pela riquezas que Deus garantiu a outros. Sejamos gratos por aquilo que temos, se grande ou pequeno. Recebamos o rico em nossas igrejas sem assumir que eles são criminosos. Vamos dar o nosso dinheiro aos pobres sem ligá-lo à bactéria destruidora de almas que é a inveja. Achemos nosso prazer apenas em Jesus. Apontemos esse prazer às pessoas e não os prazeres temporários nas posses do próximo.
Sim, vamos pedir ao Espírito que erradique esse pecado, sobre o qual ninguém falará.

A oração de Jabez

Pornografia é uma das maiores ameaças ao Cristianismo

Shane Morris
21 de novembro de 2012 (Breakpoint.org) — A pornografia está em toda parte por aí, e não vai desaparecer logo. Por isso, para ajudar seus filhos a se guardarem contra ela, você precisa prepará-los. De acordo com Josh McDowell, autor de livros que incluem “Evidência que Exige um Veredicto” e “Mais que um Carpinteiro”, que voltou sua atenção ultimamente para a devastação da pornografia na nossa cultura e na Igreja, considerando-a entre as maiores ameaças ao Cristianismo que já vimos.
Josh McDowell
Explicando o motivo por que ele decidiu tratar da questão da pornografia, Josh disse numa entrevista para John Stonestreet de Breakpoint como ele sentiu uma barreira para seu trabalho apologético que nada tinha a ver com a defesa da fé em si.
“Sou um apologeta”, diz Josh. “Apresento razões positivas por que acreditar, a fim de ver jovens virem a Cristo. Mas cerca de cinco ou seis anos atrás, fiquei sentindo que há um problema em toda parte. Quando eu tinha interação com jovens, algo havia se tornado uma barreira. Percebi que era imoralidade sexual e pornografia intrusiva e generalizada na internet. Como apologeta, a única coisa que pode minar tudo o que ensino não está na área da apologética, mas na área da moralidade. Se você não lida com essa questão, você não cumprirá seu papel como um apologeta bíblico”.
Sean McDowell, filho de Josh, é diretor do departamento bíblico da Faculdade Cristã do Vale de Capistrano. Ele também é autor, palestrante e apologeta em seu próprio mérito, e ele trabalha com jovens em tempo integral. Nesse processo, Sean coletou uma lista interminável de casos tristes de rapazes e moças cristãos que na aparência eram modelos, mas que caíram na armadilha armada contra eles por uma cultura saturada de sexo e lascívia.
E esse é exatamente o problema. Os primeiros pontos que Josh e Sean McDowell esperam comunicar aos pais, pastores e professores é que no mundo de hoje, a maioria das crianças e estudantes não está atrás da pornografia. “A pornografia está atrás deles”, diz Josh. “Dos adolescentes que viram pornografia, entre 75% e 91% não estavam em momento algum atrás dela. Pesquisadores mostram que 38% deles ficarão viciados”.
“Esse problema é muito grande para o corpo de Cristo agora?” pergunta John Stonestreet.
“Veja, as estatísticas que documentei”, explica Josh, “mostram que o problema está aumentando sem parar. Cinquenta por cento dos pastores estão lutando para largar do vício da pornografia. Sessenta e dois por cento dos homens que frequentam igrejas evangélicas regularmente estão lutando para largar da pornografia, e entre 65% e 68% dos adolescentes estão nessa situação. Essa é provavelmente a maior ameaça à causa de Cristo em dos mil anos de história da igreja, pois mina sua vida, sua caminhada com Cristo e suas convicções. Meu temor é que muitos pastores não estejam lidando com esse problema pelo simples fato de que eles mesmos estão envolvidos nele. De certo modo, precisamos fazer com que a liderança no corpo de Cristo trate disso”.
“Dê-nos alguns detalhes”, diz John. “Como é que a pornografia mina os cristãos? Como é que ela mina o crescimento cristão? Como é que ela mina os casamentos?”
“Mesmo deixando de fora a vergonha e a solidão”, explica Josh, “a pornografia produz um questionamento sobre a autoridade das Escrituras, de Cristo, da Ressurreição, da Igreja e dos pais. A pornografia começa a entenebrecer a porta do cérebro para considerar as verdades da fé cristã. Logo que você se envolve na pornografia, ela assume o controle dos seus pensamentos, de seus padrões morais e de sua vida. Você precisa entender: a pornografia simplesmente assume o controle da sua vida. A pornografia assume o controle dos seus relacionamentos — o modo como você vê as pessoas, as mulheres e as crianças. E como consequência, a pornografia não deixa espaço para sua caminhada com Cristo. Não dá para você se envolver com a pornografia e ter uma caminhada saudável com Cristo”.
É por isso, diz Josh, que ele lançou “Just 1 Click Away”, um site dedicado à troca de informações, recursos e ajuda entre velhos e jovens. Sean McDowell dá uma palestra nos Ministérios Summit que ecoa a mensagem de “Just 1 Click Away”. Nele, ele se baseia no trabalho do Dr. Joe McIlhaney Jr. e da Dra. Freeda McKissic Bush em seu livro pioneiro “Hooked” (Viciado), em que eles descrevem como a pornografia e a promiscuidade sexual realmente mudam a estrutura física e a química de nossos cérebros, tornando-os mais difíceis de amar, unir e ter relacionamentos sexuais com nossos cônjuges.
Outra questão crítica que os McDowells buscam tratar com essa nova campanha contra a pornografia é a temida tarefa que os pais têm de educar e preparar seus filhos. Tanto Josh quanto Sean desestimulam qualquer esperança de que nossos filhos estarão entre os poucos sortudos que nunca vão se deparar com a pornografia. Falando em termos estatísticos, dizem os McDowells, esse é um grupo que não existe.
“Seus filhos vão se deparar com a pornografia”, diz Josh. “É muito triste, mas é verdade”. Podemos tirar a internet, a televisão e os smartphones de nossos filhos e estudantes, mas essas medidas mal estancarão a maré de imagens e temas pornográficos que os bombardeiam de outras fontes que não podemos controlar, tais como amigos e colegas de classe. Ainda que isolássemos nossos filhos pequenos e adolescentes do mundo lá fora, eles ainda se tornarão adultos e terão de confrontar de repente a cultura sexual que tentamos sufocar. Nossa tarefa como pais e mentores, acredita Josh, deve agora focar em preparar nossos filhos para responder de forma temente a Deus ao se depararem com a pornografia.
É por isso que no site “Just 1 Click Away” os McDowells buscam não somente expor o problema, mas também fornecer recursos e treinamento para pais e adultos sobre como abrir canais de conversação com seus filhos cedo, como armá-los de antemão para enfrentar as batalhas a frente, e como no final das contas e de forma sistemática dizer “não” à influência desumanizadora e degradante do pior vício de nossa cultura.
Traduzido por Julio Severo do artigo de LifeSiteNews: Porn one of the greatest threats to Christianity: Christian apologist

quarta-feira, 21 de novembro de 2012

Lobinho dos teclados

l

O poder de Deus

O Jardim, o mar, o mundo.


“O Lugar do navio é dentro do mar, mas Deus ajuda o navio se o mar entrar dentro dele” D.L. Moody
Essa frase nos mostra que inevitavelmente estaremos dentro do mundo, mas ela também nos mostra, que, se o mundo entrar dentro de nós, será Deus quem nos ajudará.

Mas para que isso dê certo, Deus traçou uma regra, a mesma regra usada para com o primeiro homem que navegou nessas águas, Adão.
Para entendermos, voltaremos no Géneses (princípio).

Num belo dia, após o mundo ter sido criado, Deus orientou sua primeira e única criatura (Gn. 1:8-9), que no jardim que Ele havia preparado, Ele também havia colocado ali duas árvores, uma da vida, e a outra do conhecimento do bem e do mal.

Até aí tudo bem! Mas Adão comete um grande erro, ele demora comer, ou até mesmo ignora o fruto da árvore da vida. O inimigo sabendo que Adão não tinha experimentado da vida, oferece a ele o fruto do conhecimento, e ele o come, essa que fora proibida por Deus. O resto da história vocês já sabem.
Deus deu a Adão a chance de comer do fruto da vida, ele conhecia as regras, mas ele preferiu comer o fruto do conhecimento, esse foi seu grande erro, conheceu do bem e do mal, antes de conhecer a vida.

Esse é o segredo do Jardim, o pai biológico da humanidade, preferiu conhecer, antes de ter a vida.
Voltemos a frase. ”Para navegarmos no inevitável mar, para estarmos dentro do inevitável mundo, teremos que ter comido do fruto da vida.“
Deus precisou enviar um novo Adão, o segundo Adão que foi Jesus, que possuía o fruto da vida, para que assim experimentássemos desse fruto, o fruto que o primeiro Adão ignorou.

E Jesus continua nos oferecendo o seu fruto, o fruto da vida. Para que com Ele, possamos navegar dentro do inevitável mundo, sabendo que temos um Deus, que nos ajuda quando o mundo entra dentro de nós.

Esse é o segredo do jardim, do mar, do mundo, o segredo é ter a vida, antes de buscar o conhecimento. Que possamos não cometer o mesmo erro que Adão cometeu, trocar a vida eterna pelo conhecimento do mundo.
(SNA.) SAMUEL NEVES DE ALMEIDA
 
http://umajumenta.blogspot.com.br/
 

terça-feira, 20 de novembro de 2012

AMEAÇAS DO PASTOR GILVAN RODRIGUES

O que você fará com Jesus?

Por que "Deus seja louvado" ofende os ateus?


Considero o principal argumento do Ministério Público Federal (MPF) e dos ativistas LGBTUWXYZ para exigir que o Banco Central (BC) retire a frase "Deus seja louvado" das cédulas de real fraco e irrelevante. Por quê?

Em primeiro lugar, porque, em nome do laicismo, o MPF e os ativistas LGBTUWXYZ alegam, de modo equivocado, que a aludida frase ofende os ateus e prioriza o cristianismo. No Brasil há pessoas de várias religiões. E elas defendem várias teorias gerais ou pontos de vista sobre Deus, como: ateísmo, agnosticismo, panteísmo, politeísmo, dualismo, deísmo e teísmo.


O ateísta diz: "Não há Deus", mas tem o seu deus: a razão. O agnóstico afirma: "Tudo é relativo. Nada pode ser provado" (também nega a existência de um Deus pessoal). Dizem que o agnóstico é o ateu que não tem coragem de assumir seu ateísmo.


Já o panteísta assevera: "Deus é tudo, e tudo é Deus". O politeísta, por sua vez, defende a existência de muitos deuses. E o dualista afirma: "Deus é finito e harmoniza bem e mal". O deísta (não confunda com o teísta) diz: "Deus só pode ser compreendido pela razão". E, finalmente, o teísta assevera: "Deus existe e está no controle de todas as coisas".


Com tantas cosmovisões diferentes, a frase "Deus seja louvado" pode significar muitas coisas e se reveste de imparcialidade. Para ofender outras religiões, ela deveria ser específica, como "Jesus Cristo seja louvado" ou "Alá seja louvado". Da forma como está grafada a frase não agride a ninguém.


Diante do exposto, num Brasil multifacetado, de tantas religiões e cosmovisões, o termo "deus" se torna genérico. Ademais, se para os ateus, ao contrário de nós, cristãos (teístas), não existe um Deus pessoal, Criador do Universo, uma frase sobre Ele deveria ser inócua e inofensiva, não é mesmo?


Ciro Sanches Zibordi

Coisas que não devem ser ditas ao pastor após o sermão de Domingo


  • Uau! Esse foi o melhor cochilo que já dei!
  • Eu sei que você estava pregando em Mateus, mas eu não pude parar de pensar naquelas locustas de Apocalipse.
  • Nada do que você disse aplicou-se a mim, mas meu companheiro de quarto com certeza precisa ouvir o que você disse.
  • Eu amei aquela ilustração – eu não tinha ideia do que você estava ilustrando, mas realmente amei.
  • Você já ouviu a mensagem de John Piper sobre o mesmo texto?  Cara, é boa.
  • Eu realmente gostei dos primeiros cinco minutos de sua mensagem, mas tive que sair para fumar um pouco.
  • Eu acho que você queria dizer: “Pai Abraão, manda a Lázaro, que toque a ponta do seu dedo e me refresque a língua”, mas você disse: “Pai Abraão, manda a Lázaro que coloque sua língua em minha boca”. (eu realmente disse isso uma vez acidentalmente)
  • Sabe o que teria deixado a mensagem melhor? Se você tivesse usado algum texto da Escritura.
  • Eu gosto de vir a esta igreja porque o louvor é excelente.  As mensagens são boas também.
  • Cara, essa mensagem foi profunda – você se importaria de explicar para mim?
  • Você sabia que você disse “hã..” 93 vezes durante sua mensagem?  Eu sei porque estava contando.
  • Eu acho que você queria dizer “hermeticamente” fechado em vez de “hermeneuticamente” fechado, não? (eu disse isso na semana passada).
  • Olha aqui um desenho engraçado de você que eu fiz enquanto você estava pregando.
  • A mensagem foi fantástica! Era sobre o que mesmo?
  • Obrigado por se esforçar tanto na mensagem. Eu sei que pregar não é algo muito agradável para você, mas obrigado por nos servir.
  • Você já pensou em fazer alguma coisa além de pregar para viver?
  • Você não teve muito tempo de preparar essa semana, né?
  • Eu não ligo para o que meu marido disse, eu gostei da mensagem.
  • Você tem alguém para revisar suas anotações antes de pregar?
  • Essa mensagem foi fantástica.  Especialmente, por ser tão curta.
  • Não tenho certeza se fazer um rap durante a mensagem inteira funcionou.
  • Você já pensou em fazer um curso online de pregação?
  • Desculpe por não tirar meu bebê da sala durante sua mensagem. Os gritos dela te distraíram?
  • Ei, quer saber? Todos nós falhamos de vez em quando.
  • Estou realmente feliz que você deixa a gente beber café enquanto está pregando.
  • Você já fez algum daqueles testes de dons espirituais?
  • Acho que sei por que tantas pessoas estão deixando nossa igreja atualmente.
  • Eu realmente estava pensando em ouvir outro pastor falar hoje de manhã, mas você se saiu bem.
  • Obrigado por terminar tão rápido.  Eu estava achando que perderia o jogo do Botafogo.
  • Caso você faça essa mensagem de novo, acho que eu deixaria de fora a parte sobre você soltar flatulência.
  • Obrigado por não nos condenar durante a mensagem toda, como você normalmente faz.
  • Eu não recomendaria citar o iPródigo novamente. Precisamos de mensagens com substância…
Traduzido (com adaptações) por Josaías Jr

segunda-feira, 19 de novembro de 2012

sexta-feira, 16 de novembro de 2012

quinta-feira, 15 de novembro de 2012

quarta-feira, 14 de novembro de 2012

ARIOVALDO RAMOS - DA REBELIÃO P/ TURMA DE JESUS

A ilusão da religião

Esse crente sou eu

Letra: Ciro Sanches Zibordi
Música: Roberto Carlos

O crente que dorme pensando em dinheiro/
Que sonha com dólar, real e muito euro/
Que pensa que a vida não tem tribulação/
Onde está o tesouro está seu coração


Ele ajunta riquezas no mundo/
Cai num buraco sem fundo/
Esse crente sou eu


O crente que grita, pula e dança toda hora/
Que é extravagante e pensa que adora/
Que gosta de funk, axé e tcheretchetchê/
Que passa o dia ouvindo CD

Pense num crente que está sem foco/
Seu coração está oco/
Esse crente sou eu


O crente que pensa em novela toda dia/
Que ama a Globo e odeia teologia/
Que está toda noite assistindo tevê/
Detesta leitura e a Bíblia nunca lê


E não evangeliza e não clama/
Porque o mundo ama/
Esse crente sou eu


Esse crente sou eu
Esse crente sou eu
Esse crente sou eu
Esse crente sou eu


Ciro Sanches Zibordi

Augustus Nicodemus - Malaquias 3:10, o Dízimo e o Novo Testamento

terça-feira, 13 de novembro de 2012

A verdadeira religião

ORAÇÃO FORTE COM A ESPADA DE GIDEÃO?????

Veja o vídeo até no final.





VOLTA LOGO JESUS.

Consciência atribulada

Rede Globo - Será que a poderosa TV vai abrir uma Igreja?

REDE GLOBO ABOCANHA MERCADO GOSPEL

Rede Globo faz de tudo para abocanhar o "mercado gospel" brasileiro!

A Rede Globo sempre deixou transparecer sua tendência espírita, através da sua programação, em especial as telenovelas e ou similares, no entanto, já há tempos tem descoberto o crescimento do povo evangélico e por isso tem tentado desmistificar essa ideia.
Quando descobriu isso, lá atrás, começou dando oportunidade a Caio Fábio, à época um ícone entre os evangélicos, e também ocupante da principal cadeira da AEVB – Associação Evangélica Brasileira, instituição que ainda existe, porém sem a mesma representatividade daquele momento.
Mais recentemente, percebendo a diversidade religiosa que existe no Brasil, lançou uma espécie de "programete televisivo" diário sob o título de “SAGRADO”, apresentado nos primeiros horários da sua grade, onde representantes de diversas religiões manifestam de maneira tímida seus pensamentos. Entre eles alguns pastores, como o pastor Israel Belo de Azevedo da Igreja Batista de Itacuruçá no bairro carioca da Tijuca e também o pastor Ricardo Gondim da Igreja Betesda, o qual mesmo defendendo a fé evangélica, se diz não mais pertencer mais ao grupo.
Verificando o sucesso dos cantores da música gospel e o crescimento do mercado fonográfico evangélico, passou a contratar os maiores ícones da música cristã através do selo SOM LIVRE, abocanhando assim parte de um mercado que até então nada lhe pertencia.

Globo pretende rivalizar a "EXPOCRISTÃ" com a "FEIRA INTERNACIONAL CRISTÃ"
Agora, após a realização do “Festival Promessas”, evento de música gospel lançado em 2011 no especial de fim de ano, cuja primeira edição foi realizada no Rio de Janeiro, reunindo cerca de 100 mil pessoas, a Globo parece querer dar mais um passo para alcançar a grande massa evangélica.
A maior emissora de TV do Brasil pretende lançar a “Feira Internacional Cristã” para o próximo ano, segundo informou o jornalista Lauro Jardim, nesta segunda-feira.
Segundo o jornalista, a empresa de entretenimento da Globo deve realizar o evento gospel no mês de julho, em São Paulo. Ele afirma ainda e deixa bem claro que a ideia é mesmo rivalizar com a Expocristã, a maior feira atual do segmento na América Latina.
A Globo tem investido nos programas e eventos de público evangélico, acompanhando o crescimento dos fieis que já contam com cerca de 42,3 milhões no país, de acordo com dados do censo de 2010 do IBGE.
Para alcançar ainda mais evangélicos na área comercial, a Globo pretende superar a ExpoCristã. O evento que ocorre desde 2001 é considerado a maior em vendas e distribuição de artefatos e produtos cristãos na América Latina.
Neste ano, a feira gerou aproximadamente R$ 100 milhões em negócios e mobilizou 168 mil pessoas entre expositores e visitantes, segundo a sua organização.
Bem, ao mesmo tempo em que registro esses fatos, fico a pensar:
Será que a Rede Globo, em um futuro passo não vai querer também lançar a sua própria igreja, já que as igrejas decidiram investir no ramo dela, adquirindo seus próprios canais de televisão, ainda que se utilizando de manobras legais? Seria isso um troco?
Fica aí uma ideia pra se pensar na cama!

segunda-feira, 12 de novembro de 2012

O Despreparado


Ele conta com você

Um alerta para as mulheres

Para todas as esposas, essa é uma questão difícil que deve ser feita regularmente. É muito fácil se deixar levar e entrar no modo de auto-proteção. Ou, ainda pior, descobrir que nossas decepções e desejos se tornaram demandas ressentidas e acreditar que merecemos receber mais do matrimônio e do marido.
Nossos corações instáveis facilmente se desviam do caminho conforme vamos nos exaltando acima de qualquer coisa. Em nossa relutância de se arrepender, viramos as costas para Deus e para o homem que amamos. Gostaríamos de pensar que somos humildes, mas não somos. Que Deus abra nossos olhos, convença-nos do nosso pecado e nos leve ao arrependimento.
Não vou nem começar a fingir que tenho uma mensagem que não me inclua como culpada. Apesar de não ter cometido adultério durante os meus 17 anos de casamento e não estar prestes a terminá-lo, eu não sou menos culpada em relação ao pecado que leva a este destino.

 

Nosso temor pelo Senhor é pequeno


“Enganosa é a graça, e vã, a formosura, mas a mulher que teme ao Senhor, essa será louvada.” Provérbios 31.30
Com atenção, volte comigo para o começo da humanidade – o Jardim do Éden. Nossa primeira mãe foi criada pela costela de seu marido por um Pai amoroso e carinhoso que a colocou ali no meio do paraíso. Infelizmente, nós mulheres frequentemente não reconhecemos quando temos algo que é bom, mesmo se isso estiver nos cercando por todos os lados.
Eva se deparou com uma simples pergunta da cobra e a conclusão dela foi: “Deus está se recusando a me dar algo. Eu mereço mais do que isso. Meus olhos estão encantados (Gênesis 3.6). Acho que vou tomar essa questão em minhas mãos.”
Eva não teve temor ao Senhor. Naquele momento ela:
  • Não valorizou a provisão de Deus;
  • Não confiou na bondade de Deus;
  • Não acreditou nas promessas de Deus.
Ela temeu mais estar perdendo algo que ela acreditava que merecia do que temeu desobedecer a Deus. Nós somos mais parecidas com Eva do que temos coragem de admitir. Nós não valorizamos a provisão de Deus (Efésios 2) de graça (favor imerecido) e de misericórdia (perdão imerecido). Nós discordamos e decidimos que merecemos algo mais confortável e fácil do que as lutas que estamos enfrentando.

 

Confie nos planos dEle, não nos seus


Nós não confiamos em sua bondade (Salmo 27), mas, ao invés disso, inventamos nosso próprio plano para obtermos satisfação ou para escapar de algo, convencendo a nós mesmas de que o prazer momentâneo é melhor. Nós não acreditamos que suas notáveis e preciosas promessas (1 Pedro 1) se aplicam à nossa luta atual. Elas não parecem suficientemente rápidas ou tangíveis para eliminar nossa ansiedade e nossa exaustiva dor.
Minhas irmãs, nós estamos erradas. Nós devemos nos arrepender. Devemos ser mulheres que temem ao Senhor.


Sem o temor a Deus, não podemos descansar satisfeitas


“O temor do Senhor conduz à vida; aquele que o tem ficará satisfeito, e mal nenhum o visitará.” Provérbios 19.23
A vida é encontrada à sombra da cruz. Ele deu tudo por nós e, de alguma maneira, nós ainda nos vemos inventando planos de contingência, nos afastando de onde encontra-se a liberdade e o perdão para buscar o que pensamos que se parece com a vida nos braços de um outro – seja um outro homem, bebida, dinheiro, ou outro salvador funcional.
Nos é dito que aquele que teme ao Senhor descansa satisfeito. Quando nos encontramos vagando nos braços de outro amante, é porque não tememos ao Senhor. Nós não tememos o Deus santo e justo que não tolera o pecado – nós apenas queremos o que queremos. Agora mesmo.
A satisfação vem pura e somente em saber que não há nada que se compare a viver nossa vida em submissão à Sua glória.

 

Nenhum mal


Como uma mulher que teme ao Senhor, você não sofrerá mal algum. Para uma mulher que verdadeiramente ama e teme ao Senhor, mal é singularmente definido por estar numa situação em que Deus não está perto. Nós nunca vamos nos encontrar nessa situação. Como suas filhas, nunca estaremos fora de Sua soberania, da justiça de Cristo ou do conforto do Espírito Santo.
Eu sei que muitas vezes parece que o mal vai nos atacar e acabar conosco. Nesses momentos, nós devemos lutar. Ironicamente, é nessas horas que o tranquilo e gentil espírito de uma mulher que agrada a Deus (1 Pedro 3) deve vir à tona.

 

Lutar pelas coisas certas 


Lutar deve parecer-se com proclamar, ativamente, o evangelho da Verdade para si mesma, combatendo seu coração enganoso e o inimigo que está determinado por vingança. Lutar deve se parecer com plena e total submissão, descansando no poder e provisão do Senhor que te sustenta. Mal algum – definido como a ausência de Deus – alcançará a mulher que teme ao Senhor.

 

Descansando em arrependimento


O arrependimento começa com uma adoração focada em Deus. Deixe para trás a auto-adoração e os lugares vazios onde você tem procurado vida. Se envolva nos braços de perdão e amor do seu Pai que deseja ser misericordioso com você. Ore por um casamento que é verdadeiramente baseado no evangelho. Isso começa com o reconhecimento de que o lugar mais assombroso para se estar é longe dEle e, o mais seguro, calmo e prazeroso é nas mãos do Pai.
Por :  Jennifer Smidt Fonte: IPródigo
Traduzido por Fernanda Vilela | iPródigo.com | Original

sexta-feira, 9 de novembro de 2012

Santa Geração - Eu Busco ao Senhor

Devo me casar com um homem que luta contra a pornografia?

Alguns meses atrás, eu postei no meu blog uma pergunta sobre um dilema ético que uma mulher que acabou de noivar estava enfrentando. Ela havia acabado de descobrir que o seu noivo tinha “constantes batalhas contra a pornografia”. Ela não tem certeza do que fazer ou como se certificar de que está lidando com a questão da melhor forma. Aqui está a minha resposta:
Cara noiva confusa,
Muitas mulheres estão assistindo “Diário de uma paixão” ou “Crepúsculo” como referência do tipo de homem com quem deveriam se casar. Ao invés disso, você provavelmente deveria assistir “O lobisomem”.
Você já viu algum daqueles filmes antigos de lobisomem? Você sabe, aqueles em que o homem aterrorizado, encharcado de suor, se acorrenta no porão e diz aos seus amigos “o que quer que aconteça, não importa o que eu diga ou o quanto eu implore, não me deixem sair daqui”. Ele sabe que a lua cheia se aproxima e está tomando providências para proteger todos de si mesmo.
De uma forma bem real, a vida cristã é semelhante a isso. Todos nós temos pontos de vulnerabilidade, áreas de suscetibilidade ao erro e à autodestruição. Há seres soltos no universo que observam essas áreas e sabem como colaborar com a nossa fisiologia e o nosso ambiente para nos aprisionar.
A sabedoria reside em saber quais são essas áreas, saber reconhecer as armadilhas que aparecem e tomar os cuidados necessários para manter a fidelidade a Cristo e àqueles quem Deus nos deu.
O que me preocupa mais na sua situação não é que o seu potencial marido tenha uma fraqueza por pornografia, mas que você só tenha descoberto ela agora. Isso me diz que, ou ele não enxerga isso como o horror matrimonial que é, ou ele estava muito paralisado pela vergonha.
O que você precisa não é de um homem sem pecado. Você precisa de um homem profundamente consciente de seus pecados e de seu potencial para pecar mais ainda. Você precisa de um homem que enxerga o quanto é capaz de destruir a si mesmo e a sua própria família. Você precisa de um homem com a sabedoria para, como Jesus diz, arrancar e lançar fora qualquer coisa que o leve ao caminho da autodestruição.
O que você precisa não é de um homem sem pecado. Você precisa de um com a sabedoria para lançar fora o que o leva a pecar
Isso significa um homem que sabe como subverter a si mesmo. Eu, no seu lugar, iria querer saber quem, na vida dele, sabe sobre esse problema da pornografia e como essas pessoas, juntamente com ele, tem trabalhado para impedi-lo de pecar, sem expô-lo. Eu iria querer saber, dele, como ele planeja agir de forma que não consiga esconder de você essa tentação após o casamento.
Pode ser que, por conta da natureza dessa tentação, vocês dois não possam ter um computador em casa. Talvez signifique que você deva receber relatórios em tempo real de toda a atividade dele na internet. Há uma série de obstáculos que podem ser colocados no caminho. O ponto é: como forma de demonstrar amor por você, ele deve lutar (Efésios 5.25; João 10), e parte dessa luta será contra si mesmo.
Pornografia é uma tentação universal precisamente porque provoca exatamente o que os poderes satânicos desejam provocar. Ela agride a natureza trinitariana da realidade, a comunhão em amor de pessoas, substituindo por um unitarianismo masturbatório.
E a pornografia também agride a figura de Cristo e sua igreja ao interromper a união de um só corpo, deixando os casais em situação semelhante à dos nossos ancestrais, escondendo-se um do outro e de Deus, por conta da vergonha.
E a pornografia ataca, como Satanás sempre faz, a Encarnação (1 João 4.2-3), ao substituir a intimidade corporal do casal pela ilusão de intimidade remota.
Não há garantia que você possa manter seu marido longe da infidelidade, seja digital ou carnal, mas você pode se certificar que o homem que você está prestes a seguir sabe o que está em risco, sabe como se arrepender e sabe o que significa lutar contra o mundo, a carne e o Diabo por todo o caminho até a cruz.
Resumindo, encontre um homem que sabe qual é a sua “lua cheia”, o que o leva a ficar vulnerável à sua fera interior. Encontre um homem que saiba lutar consigo mesmo e saiba buscar ajuda de outras pessoas para isso.
Você não vai encontrar uma bala de prata para esse caso, mas talvez você encontre um lobisomem que vive pelo evangelho.
Por:  Russell D. Moore Fonte: IPródigo
Traduzido por Filipe Schulz | iPródigo.com | Original

Redes Sociais

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...