Cinco Votos para Obter Poder Espiritual.

Primeiro - Trate Seriamente com o Pecado. Segundo - Não Seja Dono de Coisa Alguma. Terceiro - Nunca se Defenda. Quarto - Nunca Passe Adiante Algo que Prejudique Alguém. Quinto - Nunca Aceite Qualquer Glória. A.W. Tozer

sexta-feira, 30 de agosto de 2013

Neutralizadores de pecado

O pecado exige uma resposta. E ele a terá. A questão não é “eu reagirei ao pecado?”. Você reagirá. Eu reagirei. A verdadeira pergunta é “como eu reagirei ao pecado?”. O pecado, como a gravidade, é uma daquelas leis inalteráveis: acontece e, portanto, eu devo interagir com isso. Não é que estamos desamparados ou somos vítimas do pecado, pelo menos não os cristãos. Semelhante à gravidade, podemos responder de maneiras sábias e benéficas à nossa queda. Deus nos deu a resposta para o nosso problema com o pecado, assim como o poder para superar as realidades do pecado. Por causa de Cristo, não temos de ser derrotados pelas vicissitudes do pecado. Podemos nos tornar ofensivamente centrados, motivados e fortalecidos pelo Evangelho e, certamente, cabe a nós a maneira como responderemos às coisas que fazemos de errado.

Neutralizadores antropocêntricos

Refletindo sobre as maneiras erradas que respondi aos meus erros, cheguei a pelo menos quatro respostas erradas ao pecado. Aqui estão elas:
Desculpas – Essa é provavelmente minha tática mais usada para neutralizar o pecado. Meu velho amigo Adão usou isso no Jardim do Éden e tenho descoberto que essa é uma resposta tentadora quando faço algo tolo. O problema, para aqueles que têm de conviver comigo, é que isso é frustrante, pois, no fim das contas, não é uma solução. Isso não afasta o meu pecado. Simplesmente o ignora ou talvez, melhor dizendo, transforma meu pecado em algum tipo de discurso ambíguo nem preto nem branco, que deixa todos desconfortáveis, sentindo que eu não respondia suficiente e biblicamente pelo que fiz errado. O pecado permanece e meus amigos e família precisam conviver com o grande elefante rosa na sala. Quando me escondo em desculpas ao invés de tomar responsabilidade por minhas ações,
Justificativas – Existem momentos em que me compararei aos outros, o que é parte do processo que uso para dizer a mim mesmo que meu pecado não é tão ruim quanto o de algumas pessoas que conheço. Isso, é claro, não remove meu pecado, mas apenas o neutraliza temporariamente. Tipicamente, quando estou no modo autojustificador, é porque acho que mereço mais que eu tenho. Justificativa é uma forma de raiva, que vem de um coração irado e diz: “eu terei o que quero, a despeito do que custe ou de quem eu machuque no processo, porque mereço ser feliz”.
Usualmente, a pessoa autojustificadora não foi capaz de lidar com suas decepções pessoais com a vida. Ela fala de si mesmo como uma vítima disso ou daquilo, e porque isso aconteceu a ela, ela chegou à conclusão de que merece algo melhor. E quando essa pessoa peca, no processo de ter o que sente que merece, ela justifica seus atos pecaminosos porque se convenceu de que foi feriada desnecessariamente e deveria ser recompensada. É um ciclo que deixa muitas casualidades.
Aliviar – Normalmente, uma pessoa que procura aliviar seus pecados tem um tipo diferente de sensibilidade a seu pecado. Seu senso de moralidade é mais focado introspectivamente que o do Justificador ou do Escusador, que tendem a apontar externalidades para explicar porque eles fazem o que fazem. Enquanto o Escusador e o Justificador sabem a diferença entre certo e errado, eles não são tão introspectivos sobre seus pecados.
Na prática, isso funciona dessa maneira: o Escusador e o Justificador respondem seu pecado culpando aos outros, enquanto o Aliviador escolhe punir ou culpar a si mesmo. Essa é sua versão da autoexpiação, ou como eles procuram pagar por seus pecados. Aqui está uma lista curta de respostas autoexpiatórias ou autopunitivas ao pecado: drogas, sexo, comer demais, televisão demais, gastar dinheiro, férias, roupas, medicamentos, raiva, cortar-se, autopiedade e outros comentários autodepreciatórios. Tudo isso ajuda a distraí-los de seu pecado.
Culpar – “Se você vivesse com a mulher que eu vivo, também faria as coisas que eu faço”.  “Se você conhecesse meu pai, não seria tão rigoroso com o que eu tenho feito”. Essas são apenas duas das muitas variações que usamos para neutralizar nosso pecado. Infelizmente, minha lista é bem grande. Culpar se torna apenas mais uma reação errada que não resolve de fato  as questões que precisam ser resolvidas.  O problema central dos ‘culpadores’ é a auto-justificação. Eles tem problemas para admitir que estão errando. Estão apaixonados demais por si mesmos para dizer que falharam. Apesar de estarem cientes de seu pecado, eles preferem colocar a culpa em algo ou alguém além de si mesmos.  Uma resposta ao pecado é necessária, e eles escolhem responder dizendo alguma versão de “não é realmente minha culpa”.

Um efeito colateral real

O problema com essas quatro tentativas de neutralizar o pecado é que elas endurecem a consciência. A consciência (co – ciência) é aquela voz interior que age como nosso termômetro moral. Ela nos diz quando estamos errando. Contudo, quando escolhemos algumas dessas respostas que eu citei como uma “solução” para o pecado, nossa consciência começa a se mascarar, o que, a longo prazo, nos tornará insensíveis para as convicções divinas em nossas vidas. E, uma vez que nossa consciência se torna endurecida (mascarada), nos tornamos moralmente disfuncionais, incapazes de discernir ou reagir ao certo e ao errado.

Neutralizador Teocêntrico

Há apenas uma forma correta de responder ao pecado. O Evangelho, a pessoa e a obra de Jesus Cristo. Deus nos deu a única resposta ao pecado em Seu Filho. Ao invés de nós escolhendo a escravidão por meio de respostas antropocêntricas ao pecado, Deus julga Seu Filho na cruz e apenas nos pede que aceitemos esse julgamento como a resposta definitiva para o problema do pecado.
Traduzido por Josaías Jr e Filipe Schulz | iPródigo.com

quinta-feira, 29 de agosto de 2013

quarta-feira, 28 de agosto de 2013

terça-feira, 27 de agosto de 2013

segunda-feira, 26 de agosto de 2013

sexta-feira, 23 de agosto de 2013

Pornografia na Internet: A Maldição e a Cura

A Internet é tão persistente quanto potente, uma presença indelével e incontida na cultura. De fato, a Internet nem está separada em absoluto da cultura; é a cultura. Todo o lixo, refugo e dejetos de nossa sociedade ali encontra o seu espaço, e a menor das obsessões encontra ali o seu nicho, juntamente com Bach, obras caritativas e pôres-do-sol. A Internet permite que um milhão de flores desabrochem, bem como um milhão de ervas daninhas.--Javier, Herron, & Primavera, 1998.

O dia havia sido longo e agitado, mas finalmente Jerry estava sozinho no seu escritório em casa. Estava bastante cansado após oito horas de infindáveis reuniões na Igreja. Ao mesmo tempo estava contente pelo que vinha conseguindo realizar. Seu grupo de jovens estava aumentando, e a congregação lhe dera muitos tapinhas nas costas. O sentimento geral era de que Jerry--o líder de jovens em sua igreja--estava fazendo uma diferença positiva com os jovens. Ele se sentia bem com isso.

Jerry atirou o paletó sobre uma poltrona num canto e acomodou-se diante de seu computador para desfrutar uns poucos minutos "só dele". Após alguns cliques--ali estavam suas amigas: mulheres posando eroticamente, pessoas tendo sexo das formas mais esquisitas. Ele partia de um site da Internet para outro como que hipnotizado. A luz de mensagens de seu telefone piscava e uma pilha de cartas aguardavam sua atenção, mas ele não conseguia afastar-se do computador.

Todos os amigos de Jerry imaginavam que ele era o exemplo do sucesso. Em seus 30 e poucos anos tinha uma bela esposa, duas filhas pequenas e um lar confortável. Qualquer fotógrafo teria orgulho de exibir uma foto da família de Jerry em seu estúdio. Profissionalmente, Jerry estava em alta demanda como orador por toda a região e mesmo pelo estado.

Mas Jerry era também um viciado--dominado pelo sexo, obcecado pela pornografia internética.

FORUM LPI 2

quinta-feira, 22 de agosto de 2013

THALLES ROBERTO usado por Deus ?






AGORA A VERSÃO DO PASTOR


“Evolution vs God” enfurece ateus em todo o mundo. Assista em português

Evangelista Ray Comfort aposta na internet como melhor ferramenta para evangelização
Você é ateu? Acredita na evolução? A resposta para essas duas perguntas podem fazer uma grande diferença na vida das pessoas. Na opinião do evangelista americano Ray Comfort, é mais do que isso. Pode ser a diferença entre o céu e o inferno.
Nos últimos anos ele deixou de lado seus livros e textos para se concentrar na produção de vídeos evangelísticos e programas em DVD. Todos eles tiveram grande repercussão e, ao mesmo tempo, geraram polêmica. O vídeo de “180 degrees” [180 graus] falava sobre o aborto e suas consequências físicas e espirituais. “Genius” [Gênio] usava a história de vida do ex-Beatle John Lennon para lembrar a brevidade da vida. O mais recente, “Evolution vs. God” [Evolução versus Deus], dá um passo além.
Produzido com o formato de entrevistas, Ray sai com um microfone e uma câmara na mão procurando professores universitários, especialistas em biologia e também pessoas comuns. A todas elas ele apresenta o mesmo desafio: provar que a evolução não é uma questão de fé. Para isso, ele usa citações de Charles Darwin, autor da teoria da evolução, e Richard Dawkins, um dos maiores defensores modernos do ateísmo.
Por mais que pareça estranho, é isso mesmo que ele consegue mostrar. Reunindo explicações científicas e citações de defensores da evolução e do ateísmo, o evangelista procura “desmistificar” muito do que se ensina sobre evolução nas salas de aula do mundo todo.
Somente na primeira semana, o material alcançou quase 200 mil visualizações no Youtube. Uma versão em HD passou a ser vendida no site do seu ministério, www.livingwaters.com e, segundo ele mesmo anunciou, milhares de DVDs foram distribuídos nas universidades americanas. Para o ministério, a maior aposta é na divulgação pela internet, considerada por eles como “a maior ferramenta para evangelização” moderna.
Comfort acredita que “Esta geração não usa as fontes convencionais de notícias para aprender. Eles estão absorvidos em seu próprio mundo… os meios de comunicação social (mensagens de celular, YouTube, FacebookTwitter, etc.). Se quisermos alcançá-los com a mensagem de vida eterna, temos de entrar em seu mundo”.
Essa “explosão” de popularidade online rendeu ao evangelista várias oportunidades de falar sobre o assunto em vários programas de TV. O problema é que repercussão maior veio com uma campanha de organizações ateístas contra o material. Somente no YouTube existem cerca de 20 mil comentários de ateus furiosos com o conteúdo apresentado. Surgiram vários “vídeos reposta”, tentando desacreditar muitas das afirmações e conclusões do material cristão.
Comfort está satisfeito com o que considera ser uma reação esperada. Para ele, o objetivo foi alcançado. As pessoas voltaram a pensar sobre o assunto. “A raiva é muito real, porque as pessoas que se apegam à crença na evolução não estão acostumadas a serem confrontados com argumentos científicos. Isso ocorre porque a convicção de que Darwin estava certo lhes dá o que consideram uma permissão para agirem sem culpa e se engajarem em prostituição, pornografia, homossexualidade, adultério, blasfêmia e tudo mais que o seu coração desejar. Se Deus não existe, então não há nenhuma moralidade absoluta, e isso significa que não existe um Dia do Julgamento e, definitivamente, nenhum inferno”, explica.
Mas Ray quer mais, seu desejo é ver o maior número de pessoas tendo acesso ao material e debatendo-o em casa, nas escolas e nas igrejas. Até agora já existem tradução das legendas para 12 línguas e o projeto é que chegue ao maior número possível de países.
Através de um contato com o site de Ray, o Gospel Prime recebeu autorização para fazer a tradução, que será usada na versão em DVD de “Evolução versus Deus”. Segundo o e-mail que recebemos, a reprodução é livre desde que não seja usada para fins comerciais (aluguel ou venda).
Assista:


PELOS PODERES DO DÍZIMO, EU TENHO A FORÇA!!!!!!!!

Bom dia Graça e Paz, eu achei que já não apareceria mais nenhuma bizarrice gospel para esse final de 2013, mais conseguiram o inimaginável, o  PR JERÔNIMO ONOFRE conseguiu se superar, veja o vídeo abaixo:



quarta-feira, 21 de agosto de 2013

Os tristes números do adultério entre os evangélicos


Assustado com o número de divórcios entre os cristãos resolvi pesquisar sobre o adultério entre os evangélicos.  
O portal  americano The Christian Post publicou em o8 de junho de 2011 uma pesquisa feita pela Bureau de Pesquisa e  Estatística  Cristã (Bepec) números extremamente preocupantes.
A pesquisa denominada  “O Crente e o Sexo” revelou que entre os evangélicos pesquisados, 11,96% das mulheres, disseram que já traíram, enquanto para os homens a porcentagem foi de 24,68%. A pesquisa mostrou ainda que entre as diferentes denominações, a maior porcentagem dos que já traíram pertenciam aos grupos dos Neopentecostais (26,51%), depois Batistas (22,47%), Pentecostais (21,43%) e por último os Reformados (19,41%).

Caro leitor, de fato os números revelados pela pesquisa são preocupantes. Confesso que fiquei impressionado com a quantidade de cristãos que afirmam terem praticado o adultério. Na verdade, ouso afirmar que possivelmente o número de irmãos que tenham cometido esse pecado seja bem maior do que o relatado pela pesquisa, mesmo porque, por medo, alguns dos entrevistados, tenham tido receio de expor suas traições.

Pois é, com números tão elevados fica a pensar com os meus botões como é que alguns possuem a coragem de advogar que o Brasil está experimentando um avivamento?  Ora, que avivamento é esse que relativiza o pecado? Que avivamento é esse cujos relacionamentos se desfazem com tanta facilidade? Que avivamento é esse onde a traição, o sexo ilícito e promiscuidade sexual continuam a fazer parte daqueles que se dizem discípulos de Cristo?

À luz de números tão elevados confesso que temo pelo futuro de nossas famílias.  Sem sombra de dúvidas a igreja evangélica brasileira precisa rever seus conceitos, regressar as Escrituras, proclamar a  mensagem do arrependimento , bem como a necessidade de conversão entre aqueles que se dizem evangélicos.

Que Deus tenha misericórdia do seu povo!

Pr. Renato Vargens
 

PORNOGRAFIA! Qual será o custo para a igreja?

Por meses essa questão tem me perseguido. Está lá no documento que eu abro todo dia, onde está uma lista de artigos a escrever e questões a explorar. “Qual será o custo para a igreja, se jovens continuarem a se entregar à pornografia?”. O que nós, como cristãos, temos a perder se tantos dos nossos rapazes continuarem a gastar suas adolescências e juventudes na busca pelo prazer pornográfico?
Essa questão tem estado em minha mente cada vez mais, conforme eu começo a esboçar uma série de estudos em Provérbios. O livro de Provérbios nos alerta várias vezes e de muitas formas a respeito da “mulher proibida”. Essa é a mulher cujos lábios destilam mel e suas palavras são mais suaves que o azeite. Ela é atraente e sedutora; ela sabe exatamente o que falar e o que oferecer para atrair jovens para si. E eles vão atrás dela, ignorantes do fato de que estão seguindo o caminho da tolice em rumo direto ao perigo e ao inferno.

Em dias passados, essa mulher poderia ter sido uma adúltera ou uma prostituta. Hoje ela toma a forma da pornografia. Ela está chamando os rapazes, se oferecendo a eles, exibindo todos os prazeres que pode oferecer, e eles estão acompanhando. A Bíblia é honesta e direta sobre o custo disso (Provérbios 5.8-14):
Afasta o teu caminho da mulher adúltera e não te aproximes da porta da sua casa;  para que não dês a outrem a tua honra, nem os teus anos, a cruéis;  para que dos teus bens não se fartem os estranhos, e o fruto do teu trabalho não entre em casa alheia; e gemas no fim de tua vida, quando se consumirem a tua carne e o teu corpo, e digas: Como aborreci o ensino! E desprezou o meu coração a disciplina! E não escutei a voz dos que me ensinavam, nem a meus mestres inclinei os ouvidos!  Quase que me achei em todo mal que sucedeu no meio da assembleia e da congregação.
Salomão diz que o jovem que segue a mulher proibida entrega sua honra e seu tempo, perde sua força e seu trabalho, e até acusa consequências para sua carne e seu corpo. Em última instância, ele considera a humilhação pública e o julgamento divino sobre si. Eu tenho refletido especialmente sobre um desses pontos: a força.
Temos a melhor parte de uma geração de jovens homens entregando sua força para a mulher adúltera.
Ela está consumindo o tempo e a força deles. E isso não é qualquer tempo e qualquer força. Quase no fim de sua vida, na conclusão do livro de Eclesiastes, Salomão diria “Alegra-te, jovem, na tua juventude, e recreie-se o teu coração nos dias da tua mocidade”. Ele prossegue e exalta esses dias da juventude, dias em que há muita energia, quando as possibilidades são infinitas, quando há excitação e ambição. Esses dias são únicos e insubstituíveis. Salomão chama os jovens: “Lembra-te do teu Criador nos dias da tua mocidade”. Deus quer esses dias, seus melhores dias, não apenas o que sobrar quando você já tiver buscado sua diversão e todo tipo de prazer falso.
Se tomarmos Eclesiastes 11 e 12 e colocá-los lado a lado com Provérbios 5, essa é a mensagem de Salomão aos jovens: você nunca terá tanta força quanto tem agora. Você nunca terá tanta energia, tanta habilidade para encontrar empolgação e motivação. Você nunca será tão pouco cobrado pelos cuidados da vida ou pelas responsabilidades da família. Deus te deu esses dias e te equipou com força e energia para vivê-los bem e vivê-los para a glória dEle. Deus te dá forças, te dá paixão, te dá entusiasmo, te dá o desejo de buscar a felicidade. Então por que você usaria essa força, paixão e entusiasmo para buscar a pior, mais vil e mais passageira alegria de todas? Por que você está entregando sua força a ela, ao invés dEle?
Qual será o custo para a igreja se jovens continuarem a se entregar à pornografia? A igreja será enfraquecida por jovens que dão tanto de seus melhores dias para o pior dos propósitos. A igreja será enfraquecida por futuros líderes que se atrasam anos, ou até décadas, por deliberadamente perseguirem um vício que os consume. A igreja será enfraquecida por homens que poderiam ser líderes, mas que buscam a pornografia e nunca escapam de suas garras. A igreja será enfraquecida conforme toda uma geração de jovens sobrecarregam seus pastores com aconselhamentos constantes para escapar de um pecado que eles quiseram buscar e de um vício que escolheram para si mesmos. A igreja será enfraquecida por famílias que são instáveis porque o marido trouxe seu amor pela pornografia para dentro do casamento. Quantos homens poderiam estar servindo em ministérios, poderiam estar pastoreando igrejas, poderiam estar treinando para pregar, poderiam estar plantando igrejas, mas que estão entregando suas forças pra outrem? O custo é alto. As consequências são terríveis.
Jovem: a mulher adúltera suga suas forças. Ela a rouba e nunca mais devolve. Sua busca por prazer pornográfico pessoal prejudica toda a igreja. Prejudica sua congregação local e prejudica a igreja global. Nós precisamos de sua força. Precisamos de sua energia e entusiasmo. Precisamos de você agora, não do que sobrar quando você tentar tudo o mais e perceber que ainda está carente de algo. Se você ama Cristo e ama sua igreja, então, pelo seu bem e pelo dos outros, mortifique esse pecado.
Por Tim Challies Fonte: IProdigo 

Forum - LPI 1

terça-feira, 20 de agosto de 2013

Reencontrando os valores perdidos

"Rediscovering Lost Values"


Por Martin Luther King, Jr. (1929-1968)

Tradução de João Cruzué

"Eu quero que vocês meditem comigo nesta manhã sobre este tema: Redescobrindo os valores perdidos.

Há algo errado com o nosso mundo. Alguma coisa fundamental e basicamente errada. Eu creio que não precisamos olhar muito para enxergar isto. Estou certo que a maioria de vocês concordaria comigo em fazer esta afirmação. E quando paramos para analisar a causa dos males de nosso mundo, muitas coisas nos vêm à mente.


Vamos iniciar perguntando se é devido ao fato de não sabermos o suficiente. Mas não pode ser isto. Porque em termos de acumulação de conhecimento, nós sabemos mais hoje do que os homens conheciam em qualquer outro período da humanidade. Nós temos os fatos à nossa disposição. Nós sabemos mais sobre Matemática, Ciências, Ciências Sociais, Filosofia do que nós nunca soubemos em qualquer período da história do mundo. Então, não pode ser porque nõs não sabemos o suficiente. Bem, não pode ser isto, porque nosso progresso científico sobre os anos passados tem sido surpreendente.

Em seguida, gostaríamos de saber se não foi pelo fato de nossa genialidade científica ter ficado para trás.Isto é, se nós não temos feito mais progressos na área científica.O homem através de seu gênio científico tem encurtado distâncias e reduzido tempos. Tanto que hoje (28.02.1954) é possível tomar o café da manhã em Nova York e cear em Londres, na Inglaterra. Por volta de 1753, uma carta levava três dias para ir de Nova York a Washington, e hoje você pode ir daqui até a China em menos tempo que isso. Não pode ser porque o homem esteja estagnado quanto aos progressos científicos. A genialidade científica do homem tem sido assombrosa.

segunda-feira, 19 de agosto de 2013

quinta-feira, 15 de agosto de 2013

Após afirmar que se transformara em imortal, autointitulado “Jesus Cristo Homem” faleceu por complicações de cirrose

O líder da seita Crescendo em Graça, José Luís de Jesús Miranda, auto-intitulado “Jesus Cristo Homem”, faleceu na última terça-feira, 13 de agosto, de acordo com informações do site Secretos de Impacto.
Segundo fontes do site, Miranda estava internado no Hospital Metodista de Sugar Land, no estado norte-americano do Texas, para tratar de complicações de uma cirrose hepática, adquirida pelo consumo excessivo de álcool ao longo da vida.
A ex-mulher de Miranda, Josefina Torres, teria concedido uma entrevista, dizendo que nos últimos meses o estado de saúde do líder da seita era delicado, e que o tinha visto vomitar sangue algumas vezes.
José Luís de Jesús Miranda é conhecido por liderar um grupo religioso que incentiva os fiéis a tatuarem o número 666, e pregar que ele é a reencarnação de Jesus.
Em junho do ano passado, Miranda anunciou que ele seria transformado em imortal e dois terços do planeta Terra seriam destruídos numa espécie de apocalipse. Os sobreviventes seriam governados por ele, que conduziria uma espécie de reconstrução do planeta.
Como a “profecia” de Miranda não se cumpriu, a seita divulgou um vídeo na época dizendo que “a era dos imortais” estava começando, e apresentou pregações do líder já supostamente transformado.
Há alguns meses, um vídeo gravado por Miranda e sua nova esposa chamou a atenção por sua aparência debilitada, e despertou a desconfiança que ele já estava doente, e por isso, havia desaparecido da presença do público após a suposta transformação em imortal.

terça-feira, 13 de agosto de 2013

segunda-feira, 12 de agosto de 2013

10 razões pelas quais nossos jovens deixam a igreja

Todos nós sabemos quem eles são: as crianças criadas na igreja. Eram as estrelas do grupo de jovens. Talvez tenham cantado na equipe de louvor ou lideraram o culto. E então… eles terminam o ensino médio e saem da igreja. O que aconteceu?
Isso parece acontecer com tanta frequência que eu quis descobrir mais sobre isso, falar com esses jovens e obter algumas respostas honestas. Eu trabalho em uma cidade principalmente universitária, cheia de jovens em seus 20 anos. Grande parte deles foram criados em típicas igrejas evangélicas. Quase todos eles saíram da igreja sem intenção de voltar. Eu gasto algum tempo com eles e é preciso muito pouco para fazê-los desabafar, e eu fico feliz em ouvir. Então, depois de muitas horas gastas em cafeterias e depois de pagar alguns almoços, aqui temos os pensamentos mais comuns obtidos através dezenas de conversas. Espero que alguns deles te façam ficar com raiva. Não com a mensagem, mas com o fracasso do nossa substituição pragmática do evangelho da cruz pelo evangelho da glória americanizado. Isso não é um texto negativo de “paulada na igreja”. Eu amo a igreja, e quero ver o evangelicalismo Americano se voltar ao Evangelho de arrependimento e fé em Cristo para o perdão de pecados; não apenas como algo na página “em que cremos” do nosso website, mas como o cerne do que pregamos dos nossos púlpitos para as nossas crianças, nossos jovens e nossos adultos.

 

Os fatos

As estatísticas [N.T.: referentes aos Estados Unidos, país do autor] são assustadoras: 70% dos jovens param de frequentar a igreja quando terminam o ensino médio. Quase uma década depois, cerca de metade desses retornam à igreja.
Metade.
Pense um pouco nisso.
Não há uma forma fácil de dizer isso: a igreja evangélica americana perdeu, e está perdendo, a certamente irá continuar perdendo, NOSSOS JOVENS.
Apesar de toda a conversa de “nosso melhor recurso”, “nosso tesouro”, e das multimilionárias imitações do Starbucks que construímos e das bandas de rock que tocam nelas… a igreja está deixando os jovens na mão.
Terrivelmente.
O top 10 de razões pelas quais estamos perdendo nossos jovens:



10. A igreja é “Relevante”

Você não leu errado, eu não disse irrelevante, eu disse RELEVANTE. Nós pegamos a fé histórica, 2 mil anos de fé antiga, a vestimos de xadrez e calças jeans skinny e tentando vender isso como “legal” para nos nossos jovens. Isso não é legal. Isso não é moderno. O que estamos entregando é uma imitação barata do mundo que fomos chamamos para evangelizar.
Como diz o ditado, “Quando o navio está no mar, está tudo bem. Quando o mar entra no navio, aí você tem problemas”.
Não estou me queixando sobre “mundanismo” como um bicho-papão pietista, eu estou falando do fato que nós bocejamos por causa da leitura de um texto bíblico de 5 minutos, mas quase tropeçamos ao correr para bajular uma subcelebridade ou atleta qualquer que faz alguma vaga referência sobre ser cristão.
Nós somos como bajuladores em potencial, apenas esperando que o mundo ache que nós somos legais também, tipo como vocês são, cara!
Nossos jovens conhecem o mundo real e a nossa pose de “olhe como somos legais como você” é facilmente ridicularizada. Em nosso esforço para ser “como eles” nós nos tornamos menos do que realmente somos. O pastor de meia idade tentando parecer que tem 20 e poucos não é relevante. Vista-o com calça jeans skinny e bote na sua mão um café, não faz diferença. Isso não é relevante, é comicamente clichê. No momento em que você tenta ser “autêntico”, você não é mais autêntico!

 

9. Eles nunca frequentaram uma igreja, para começo de conversa

De um berçário com tema de Arca de Noé, para um painel eletrônico de estádio de futebol no acampamento das crianças, das noites de pizza aos shows de rock, muitos jovens evangélicos foram mimados em uma estufa nem-tanto-igreja, mas nem-tanto-mundo. Eles nunca se sentaram em um banco de igreja entre pais de primeira viagem com um bebê agitado e um idoso com um cilindro de oxigênio. Eles não veem o caminho completo do evangelho por todas as fases da vida. Em vez disso, nós silenciamos a mensagem, aumentamos o volume do som e agimos surpresos quando…

 

8. Eles ficam espertos

Não é que nossos estudantes “ficam mais espertos” quando saem de casa, o que ocorre é que alguém os trata como sendo inteligentes. Em vez do nosso emburrecimento da mensagem, os agnósticos e ateus tratam nossos jovens como inteligentes e desafiam seu intelecto com “pensamentos profundos” de questionamentos e dúvidas. Muitas dessas “dúvidas” tem sido respondidas, em grande profundidade, ao longo dos séculos de nossa fé. No entanto…

 

7. Nós os enviamos desarmados

Sejamos honestos, a maioria das nossas igrejas está mandando jovens ao mundo vergonhosamente ignorantes de nossa fé. Como não poderia ser assim? Nós abandonamos o ensino básico das escolas dominicais, vendemos a atitude de “menos doutrina, mais atitude” e os incentivamos a começar a busca para encontrar “o plano de Deus para a vida deles”. Sim, eu sei que nossa igreja tem uma página de “em que cremos” no nosso site, mas é isso mesmo que tem sido ensinado e reforçado no púlpito? Eu tenho conhecido líderes de igreja evangélica (“pastores”) que não sabem a diferença entre justificação e santificação. Já conheci membros de conselho de mega-igrejas que não sabiam o que é expiação. Quando escolhemos líderes baseados em suas habilidades de atrair e liderar pessoas ao invés de ensinar a fé com precisão… Bem, nós não ensinamos a fé. Surpreso? E em vez da fé histórica e ortodoxa…

 

6. Nós damos porcaria como alimento

Você deu o seu melhor para transmitir a fé interior/subjetiva que você “sente”. Você realmente, realmente, quer que eles “sintam” isso também. Mas nunca fomos chamados a evangelizar nossos sentimentos. Você não tem como passar adiante esse tipo de fé subjetiva. Sem nada sólido para basear sua fé, sem nenhum credo histórico para amarrá-los a séculos de história, sem os elementos físicos do pão, vinho e água, a fé deles está em seus sentimentos subjetivos, e quando confrontados por outras formas de se “sentir bem” propostas pela faculdade, a igreja perde para outras coisas com um apelo muito maior à nossa natureza humana. E eles encontram isso na…

 

5. Comunidade

Você percebeu que essa palavra está por TODO LADO na igreja desde que a igreja seeker-sensitive e outros movimentos de crescimento da igreja entraram em cena? (Há uma razão e uma filosofia motriz por trás desses movimentos que está fora do escopo desse artigo). Quando nossos jovens saem de casa, eles deixam a comunidade de manufatura na qual passaram toda a sua vida. Com a sua fé como algo que eles “fazem” em comunidade, eles logo descobrem que podem experimentar “mudança de vida” e “melhoria de vida” em “comunidade” em vários contextos diferentes.
Misture isso com uma fé pragmática e subjetiva, e a centésima edição de festa com pizza na mega-igreja local não tem como competir contra escolhas mais fáceis e mais naturalmente atraentes de outras “comunidades”. Assim, eles saem da igreja e…

 

4. Eles encontram sentimentos melhores

Ao invés de uma fé externa, objetiva e histórica, nós estamos dando aos nossos jovens uma fé interna e subjetiva. A igreja evangélica não está ensinando os catecismos ou os fundamentos da fé aos nossos jovens, nós estamos simplesmente incentivando-os a “serem gentis” e “amarem Jesus”. Quando eles saem de casa, percebem que podem ser “espiritualmente realizados” e ter os mesmo princípios subjetivos de auto-aperfeiçoamento (e sentimentos quentinhos) de algum guru de autoajuda, de gastar tempo com amigos ou fazendo trabalho voluntário em algum abrigo. E eles podem ser verdadeiramente autênticos, e eles podem ter essa chance porque…

 

3. Eles estão cansados de fingir

No melhor do “sua melhor vida agora”, “todo dia é sexta-feira” do mundo evangélico, há um pouco espaço para depressão, conflito ou dúvidas. Deixe esse semblante de chateação, ou saia daqui. Jovens que estão sendo alimentados com uma dieta estável de sermões destinado a remover qualquer coisa (ou qualquer pessoa) que pragmaticamente não obedece ao “Maravilhoso plano de Deus para a sua vida” e são forçados a sorrir e, como uma antiga música os encoraja, a “baterem palmas” para isso o tempo todo. Nossos jovens são espertos, muito mais espertos do que acreditamos. Então eles proclamam uma mensagem que escutei bastante desses jovens “A igreja está cheia de hipócritas”. Por quê? Porque apesar de que nunca lhes tenha sido ensinado sobre a lei ou sobre o evangelho…

 

2. Eles conhecem a verdade

Eles não conseguem fazer isso. Eles sabem disso. Todo aquele moralismo de “seja gentil” que eles foram ensinados? A Bíblia tem uma palavra para isso: Lei. E é disso que nós os alimentados, diretamente, desde que os deixamos no berçário da Arca de Noé: Faça/ Não Faça. Quando eles ficam mais velhos começa o “Crianças de Deus fazem/ não fazem”, e quando adultos, “faça isso ou aquilo para ter uma vida melhor”. O evangelho aparece brevemente como algum “faça isso” para “ser salvo”. Mas a dieta deles é a Lei, e a escritura nos diz que a lei nos condena. Então, sabe aquela sorridente declaração de fé “ame a Deus e ame as pessoas”? Sim, você acabou de condenar os jovens com isso. Legal, né? Ou eles pensam que são “pessoas boas”, já que não “fazem” nenhuma das coisas que a sua denominação ensina que não pode fazer (beber, fumar, dançar, assistir filmes adultos), ou eles percebem que eles não atingem as próprias palavras de Jesus sobre o que é necessário. Não há descanso nessa lei, apenas um trabalho árduo que eles sabem que não estão aptos a cumprir. Então, de qualquer forma, eles abandonam a igreja porque…

 

1. Eles não precisam dela

Nossos jovens são espertos. Eles entenderam a mensagem que nós ensinamos, inconscientemente. Se a igreja é simplesmente um lugar para aprender ensinamentos de vida que os leva para uma vida melhor em comunidade… você não precisa de um Jesus crucificado para isso. Por que eles deveriam acordar cedo no domingo para ver uma imitação barata do entretenimento que eles viram na noite anterior? O pastor de meia idade tentando desesperadamente ser “relevante” para eles, seria engraçado se não fosse trágico. Como nós descartamos o evangelho, nossos estudantes nunca são atingidos pelo impacto da lei, dos seus pecados diante de Deus, e da sua necessidade desesperada da obra expiatória de Cristo. Certamente, ISSO é relevante, ISSO é autentico, e ISSO é algo que o mundo não pode oferecer.
Nós trocamos um evangelho histórico, objetivo e fiel baseado na graça de Deus dada a nós por um evangelho moderno, subjetivo e pragmático baseado em atingir nossos objetivos ao seguir estratégias de vida. Ao invés de sermos fiéis à tola simplicidade do evangelho da cruz, temos estabelecido como objetivos o “sucesso” de uma multidão crescente alcançada com esse evangelho de glória. Esse novo evangelho não salva ninguém. Nossos jovens podem marcar todos os itens de uma lista de autoajuda ou simplesmente um espiritualismo auto concebido… e eles podem fazer isso com mais sucesso pragmaticamente e em uma comunidade mais relevante. Eles saem porque, lhes dada a escolha, com a mensagem que ensinamos a eles, é a escolha mais inteligente.
Nossos jovens saem porque nós não conseguimos entregar-lhes a fé “que uma vez por todas foi entregue” à igreja. Eu gostaria que não fosse óbvio assim, mas quando eu apresento a lei e o evangelho para esses jovens, a resposta é a mesma de sempre: “eu nunca ouvi sobre isso”. Eu não sou contra entreter os jovens, nem mesmo painéis eletrônicos ou festas com pizza (apesar de que provavelmente eu seja contra caras de meia idade vestindo uma calça justa para ser “relevante”). É apenas que aquela coisa, a PRINCIPAL coisa que nos foi incumbida? Nós estamos falhando. Nós falhamos com Deus e falhamos com nossos jovens. Não deixe outro jovem sair pela porta sem ser confrontado com todo o peso da lei, e com toda a liberdade do evangelho.

Traduzido por Marianna Brandão | iPródigo.com | Original aqui
 por Marc Yoder  Fonte: Iprodigo

Resgatando o Tempo com Deus

quarta-feira, 7 de agosto de 2013

terça-feira, 6 de agosto de 2013

Agora a coisa ficou séria "CURSO DE PREGADOR"


http://1.bp.blogspot.com/-GgRaWDS3K-8/UgELpYvFioI/AAAAAAAAI9Q/G8Z_CqmBXp4/s1600/STREPP.jpg

   A onde vamos parar com esse mercado GOSPEL, só esta faltando agora o  SWING GOSPEL.

Ah! O pastor Hernandes Dias Lopes já fez uma declaração que não tem participação nesse "projeto".

"Caros irmãos, Informo que não fui consultado, para veicular meu nome no projeto abaixo. Embora já tenha dado palestras na referida igreja na cidade de Vitória, essa divulgação num curso à distância com outros pregadores, não tem minha participação nem a autorização para o uso da minha imagem, uma vez que não faço parte desse projeto.

Hernandes Dias Lopes."
 
 

segunda-feira, 5 de agosto de 2013

Redes Sociais

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...