Cinco Votos para Obter Poder Espiritual.

Primeiro - Trate Seriamente com o Pecado. Segundo - Não Seja Dono de Coisa Alguma. Terceiro - Nunca se Defenda. Quarto - Nunca Passe Adiante Algo que Prejudique Alguém. Quinto - Nunca Aceite Qualquer Glória. A.W. Tozer

quinta-feira, 29 de maio de 2014

segunda-feira, 26 de maio de 2014

Pr Silas x CQC

Posso testemunhar de Cristo na ilegalidade?

 

Você perguntou se estar ilegal em outro país, entendendo que Deus o enviou para residir e dar testemunho ali, teria algum respaldo da Palavra de Deus. Vou perguntar algo parecido: Assaltar um banco, entendendo que Deus o mandou assaltar para contribuir para a obra do evangelho, teria algum respaldo na Palavra de Deus? Viu o absurdo que é tentar santificar o ilícito e justificar o erro? Quem está ilegal em outro país pode dizer o que quiser, mas não pode querer se justificar com tal argumento. Ao dizer "estou ilegal" ele já diz tudo.

 Alguém poderia entrar ilegalmente na Coreia do Norte, por exemplo, não para trabalhar e ganhar dinheiro, mas com o único objetivo de levar a Evangelho, por ser esta a única maneira de fazer o nome de Cristo naquele país onde isso é proibido. Quem faz isso chega a arriscar a vida, mas está amparada pelo que Pedro disse aos que o proibiam de pregar: "Mais importa obedecer a Deus do que aos homens." (At 5:29).

Mas dizer que entrou ilegalmente em um país onde o evangelho é permitido porque tinha a intenção de testemunhar de Deus não cola por uma razão muito simples: Que testemunho de Deus você daria à polícia se fosse pego? O único testemunho seria de que cristãos não obedecem às autoridades. Mas devemos obedecer às autoridades em tudo aquilo que isso não significar desobediência a Deus. Os alemães usaram da desculpa de obedecerem as autoridades enquanto matavam judeus, mas obviamente estavam distorcendo o sentido da obediência a Deus.

"Toda a alma esteja sujeita às potestades superiores; porque não há potestade que não venha de Deus; e as potestades que há foram ordenadas por Deus. Por isso quem resiste à potestade resiste à ordenação de Deus; e os que resistem trarão sobre si mesmos a condenação. Porque os magistrados não são terror para as boas obras, mas para as más. Queres tu, pois, não temer a potestade? Faze o bem, e terás louvor dela. Porque ela é ministro de Deus para teu bem. Mas, se fizeres o mal, teme, pois não traz debalde a espada; porque é ministro de Deus, e vingador para castigar o que faz o mal. Portanto é necessário que lhe estejais sujeitos, não somente pelo castigo, mas também pela consciência. Por esta razão também pagais tributos, porque são ministros de Deus, atendendo sempre a isto mesmo." (Rm 13:1-6).

O que a passagem diz é que toda autoridade foi instituída por Deus, inclusive quando age com injustiça. Lembre-se de que Jesus foi entregue injustamente à morte por Pilatos, a quem ele disse: "Nenhum poder [autoridade] terias contra mim, se de cima não te fosse dado" (Jo 19:11). A passagem de Romanos também mostra que resistir à autoridade é resistir a Deus (e isto inclui manifestações contra o governo, atos de desobediência civil, etc.), e que a autoridade é ministro de Deus, e não dos homens, e tem poder de vida e morte sobre os homens. Diz ainda que devemos pagar impostos, independente de considerá-los abusivos ou não.

Quando Jesus foi cobrado ele ordenou a Pedro que fosse pescar e pagasse o imposto com a moeda que encontraria na boca do Peixe. Havia três lições ali: a primeira era a submissão à autoridade que exigia o imposto, a segunda era que as coisas não caem simplesmente do céu, mas exigem trabalho (pescar), e a terceira que, quando trabalhássemos em obediência às autoridades e cumprindo nossas obrigações com o pagamento de impostos, Deus supriria nossas necessidades de forma miraculosa, ainda que fosse mediante o trabalho.

Você falou ainda de outras artimanhas que cristãos estariam usando, como viajar ao Brasil para voltar ao país estrangeiro com novo passaporte mentindo que perdeu o atual, e ainda inventar algum esquema para conseguir ilegalmente a aposentadoria. Ora, todos esses ilícitos são pecados graves e nem é preciso dizer que o cristão deve evitá-los. A pessoa que se envolveu com isso deve abandonar essas práticas e confessar seus pecados a Deus e aos irmãos. Provavelmente ela será disciplinada no lugar onde congrega, pois tão tem cabimento um agrupamento de cristãos fazer vista grossa para essas transgressões, pois não são meros deslizes, mas graves e premeditadas.

Existem situações, como as que citou depois, quando um cristão se envolve com algum esquema que parece lícito até ficar patente tratar-se de pirâmide financeira ou algo semelhante. Enquanto o esquema é tolerado pelas autoridades por ainda não existir clareza quanto à sua legalidade os irmãos não podem agir além de admoestar o irmão alertando que aquilo pode ser um erro. A Palavra nos ensina que devemos ter cuidado até com as coisas lícitas, pois mesmo que sejam legais elas podem não ser apropriadas a um cristão. Por exemplo, o Uruguai legalizou o uso da maconha, mas será que um cristão deveria usá-la? Eu entendo que não.

"Todas as coisas me são lícitas, mas nem todas as coisas convêm. Todas as coisas me são lícitas, mas eu não me deixarei dominar por nenhuma. Todas as coisas me são lícitas, mas nem todas as coisas convêm; todas as coisas me são lícitas, mas nem todas as coisas edificam." (1Co 6:12; 10:23).

Mas a partir do momento que algo é declarado ilícito o cristão deve deixar imediatamente aquela prática, a menos que estejamos falando de países contrários ao evangelho que proíbem a pregação e a reunião dos cristãos, pois se deixássemos de fazer isso estaríamos desobedecendo a Deus. Geralmente o que move alguém a entrar em esquemas de dinheiro fácil não é a necessidade, pois é possível ganhar a vida até lavando privadas, o que nem todos estão dispostos a fazer. A questão é que esses esquemas apelam para a ganância e o desejo de ficar rico sem grandes esforços. A avareza, que é o amor ao dinheiro, é um pecado tão grave quanto prostituição e adultério. Muitos cristãos se envolvem nisso por desejarem levar um padrão de vida acima daquele que Deus tem para eles.

É claro que um cristão pode ser rico, se Deus abrir as portas para que seja e tenha o suficiente para si e para ajudar a outros e à obra de Deus. Mas devemos nos lembrar que isso é exceção, e não a condição normal ao cristão que vemos em Tiago 2:5 1 1 Timóteo 6:9: "Ouvi, meus amados irmãos: Porventura não escolheu Deus aos pobres deste mundo para serem ricos na fé, e herdeiros do reino que prometeu aos que o amam?... Mas os que querem ser ricos caem em tentação, e em laço, e em muitas concupiscências loucas e nocivas, que submergem os homens na perdição e ruína."

Nicodemos, José de Arimateia, Barnabé, Lídia e também as mulheres que serviam a Jesus com seus bens eram pessoas ricas, mas repare que elas aparecem na Palavra sempre conectadas com sua voluntariedade em ajudar. O que tinham era na realidade de Deus, que havia colocado em suas mãos mais do que necessitavam para poderem ajudar a outros. José de Arimateia doou um sepulcro novo para Jesus, Nicodemos comprou os aromas para seu sepultamento, Barnabé entregou sua propriedade para a manutenção da obra do Senhor e Lídia, uma empresária, abria sua casa para os irmãos. As mulheres ue seguiam a Jesus providenciavam para que nada faltasse a ele e aos apóstolos. Apesar de Jesus ser capaz de multiplicar pães e peixes era seu desejo que os que o seguiam tivessem tal exercício, como acontece hoje.

Você menciona ainda cristãos sacoleiros e entendo que muitas vezes as dificuldades econômicas exigem que alguém viaje a outro país para trazer mercadorias e vender no mercado informal. Existe um limite legal para fazer isso e o cristão deve respeitá-lo, ou corre o risco de passar de comerciante informal, como é um vendedor de balas no semáforo, a um contrabandista. Muitos que insistem nessa prática acabam perdendo a mercadoria e ate mesmo presos, aí sim, sem condições de sustentar sua família, quando não se envolvem com quadrilhas e ficam amarrados a elas correndo o risco de serem mortos se abandonarem o esquema. Se um cristão estiver fazendo isso em caráter emergencial deve buscar logo uma alternativa ou um meio de legalizar sua atividade, pois não existe na Palavra de Deus nenhum respaldo para continuar trabalhando na ilegalidade.

Nossa carne é extremamente ladina, e precisamos vigiar contra ela, pois sempre terá bons argumentos para agirmos fora da lei. Se cremos que Deus realmente provê nosso alimento e com quê nos vestirmos, podemos orar e buscar fazer a sua vontade, tendo a certeza de que no momento certo ele proverá, não para sermos ricos, mas para o necessário.

por Mario Persona

O Feminismo Cristão - Como Tudo Começou

Estudar a história do surgimento do movimento feminista é de grande ajuda para nós. Geralmente uma perspectiva global e ampla do assunto em pauta nos ajuda a entender melhor determinados aspectos do mesmo. No caso do movimento feminista, a sua história nos revelará que a ordenação de mulheres ao ministério, em alguns setores do movimento, é apenas um item de uma agenda muito mais ampla defendido por um setor bastante ativista do feminismo nas igrejas cristãs.


Origens do Movimento Feminista Fora da Igreja

Examinemos primeiramente o movimento feminista fora da igreja, focalizando suas principais protagonistas.

Século 18: A Vindicação dos Direitos da Mulher
A “Primeira Onda” do feminismo teve início na primeira metade dos anos de 1700 quando uma inglesa, Mary Wollstonecraft (foto), escreveu A Vindication of the Rights of Woman (A Vindicação dos Direitos da Mulher). Um ano depois desta publicação, Olimpe de Gouges publicou um panfleto em Paris intitulado Le Droits de La Femme (Os Direitos da Mulher) e uma americana, Judith Sargent Murray, publicou On the Equality of the Sexes (Sobre a Igualdade dos Sexos). Outras pensadoras feministas surgiram em pouco tempo tais como Frances Wright, Sarah Grimke, Sojourner Truth, Elizabeth Cady Stanton, Susan B. Anthony, Harriet Taylor e também John Stuart Mill. Seus pensamentos e obras foram defendidos com fervor e pouco a pouco foram deitando profunda influência na sociedade moderna contemporânea do mundo ocidental.

Século 19: A Declaração dos Sentimentos

Em 1848 cerca de 100 mulheres se reuniram em uma convenção em Seneca Falls, Nova York, para ratificar a Declaração dos Sentimentos escrita para defender os direitos naturais básicos da mulher. As autoras da Declaração dos Sentimentos reclamavam que as mulheres estavam impedidas de galgar posições na sociedade quanto a empregos melhores, além de não receber pagamento eqüitativo pelo trabalho que realizavam. Notaram que as mulheres estavam excluídas de profissões tais como teologia, medicina e advocacia e que todas as universidades estavam fechadas para elas. Denunciavam também um duplo padrão de moralidade que condenava as mulheres a penas públicas, enquanto excluía os homens dos mesmos castigos em relação a crimes de natureza sexual.

A Declaração dos Sentimentos foi um marco profundamente significativo no movimento feminista. Suas reivindicações eram, em sua grande maioria, justas e consistentes. Por isto, o movimento foi ganhando muitas e muitos adeptos, apesar, e por causa das grandes barreiras que foram impostas às mulheres que se expunham na defesa de suas idéias e ideais. As leis do divórcio foram liberalizadas e drásticas mudanças ocorreram com o status legal da mulher dentro do contexto do casamento. Por volta dos anos 30, como resultado de sua educação qualificada e profissional, as mulheres começaram a entrar no mercado de trabalho como força competitiva. Muitas das barreiras legais, políticas, econômicas e educacionais que restringiam a mulher foram removidas e esta começa a pisar o mundo do homem com paixão e zelo.

quarta-feira, 21 de maio de 2014

Destrua uma igreja em 4 passos

Pouco tempo atrás, soube de um prédio de uma igreja em nossa vizinhança que estava à venda. Por anos a Grace Fellowship Church esteve procurando um prédio para ser nosso, então pensamos em dar uma olhada. Aquela havia sido uma congregação próspera. Cristãos fiéis contribuíram sacrificialmente para construir aquele prédio. Eles o consagraram ao Senhor e adoraram ali por muitos anos. Ainda assim, agora aquela construção estava abandonada, decadente e à venda.
O que aconteceu? Como aquela igreja passou de próspera para enferma? Como passou de saudável para doente até a morte? Acho que sei como. Creio que Paulo nos conta em sua segunda carta à Timóteo, a carta que ele escreveu apenas dias ou semanas antes de sua morte. Nela, no capítulo 4, ele olha para o futuro, vê uma igreja sendo destruída e nos avisa como aquilo aconteceu. É tão direto quanto 4 simples passos.


Antes de partirmos para os quatro passos, precisamos nos atentar para um detalhe crítico: essa igreja destrói a si mesma. A igreja não é fechada por causa da perseguição do governo; não é afligida pela pressão cultural e não sucumbe aos ataques de outra religião. Essa igreja é erodida por dentro, do meio da congregação. Essa igreja é destruída por pessoas que dizem agir no nome de Jesus.
Aqui estão os quatro passos simples que levam à auto-destruição de uma igreja.

 

PASSO 1: REJEITE A VERDADE

 

Paulo avisa Timóteo que eles “se recusarão a dar ouvidos à verdade”. O primeiro passo para se destruir uma igreja é distanciar-se do que é verdade, perdendo o interesse na verdade como Deus a revela, cansando-se do que Deus diz que é verdadeiro e amável. O que uma vez foi amor pela verdade se torna agora um desagrado e desgosto em relação à verdade; o que antes era ódio ao erro se torna agora um interesse e fascínio pelo erro. Corações começam a endurecer.

 

PASSO 2: REJEITE QUEM FALA A VERDADE

 

Ao se distanciarem da verdade, eles necessariamente tornam-se contra quem diz a verdade. Então, Paulo avisa Timóteo que esse dia chegaria: “não suportarão a sã doutrina”. Não é que as pessoas não saberão o que é verdade, mas que elas não vão mais suportar o que é verdadeiro. Porque elas passaram a odiar a verdade, elas agora odiarão aqueles que proclamam a verdade. Os mesmos mestres que uma vez os atraíram, agora os repelirão.

 

PASSO 3: ABRACE FALSOS MESTRES

 

A igreja rejeitou a verdade e aqueles que ensinam a verdade. E depois? É obvio e inevitável: eles abraçarão falsos mestres. “Cercar-se-ão de mestres segundo as suas próprias cobiças, como que sentindo coceira nos ouvidos”. Conforme essas pessoas vão sendo endurecidas pelo pecado, conforme elas crescem em sua rebelião, desejarão ser guiadas por pessoas que as dizem aquilo que elas querem ouvir. Paulo usa uma ótima imagem para descrever isso: ouvidos coçando. Esses ouvidos anseiam a novidade, algo que de alguma forma será aceito pela sociedade e palatável ao mundo sem Deus. Eles prontamente encontrarão esse tipo de mestre que justificará seu afastamento da verdade e que validará a sua rebelião.

 

PASSO 4: ABRACE A FALSA DOUTRINA

 

Uma vez que eles rejeitaram a verdade e quem diz a verdade e uma vez que encontraram mestres que agradam os seus ouvidos, eles “entregar-se-ão às fábulas”. Agora eles abraçarão o erro, a completa heresia. Serão tão endurecidos em seus pecados que acreditarão que o erro é bom e verdadeiro. Serão tão iludidos e rebeldes que celebrarão o que Deus odeia e o farão no nome de Deus. Eles vaguearão, como ovelhas tolas indo para longe do bom pastor. O caminho estreito da salvação não deixa espaço para se vaguear, mas o caminho largo da destruição tem todo o espaço que eles precisam para vaguearem para cá e para lá.
E eles morrerão. No fim, aqueles que clamaram agir no nome de Cristo serão expostos como contrários a Cristo. Aquela igreja, aquela congregação, morrerá.
O que aconteceu com aquela igreja que um dia adorou naquele prédio que visitamos e queríamos comprar? As pessoas desenvolveram coceiras nos ouvidos. Não mais apoiaram a sã doutrina e acumularam para si mesmos mestres que se encaixavam às suas próprias paixões. Se distanciaram da verdade e vaguearam em direção a mitos e fábulas.
A evidência desses mitos estava clara. O hinário deles tinha músicas como “Mãe e Deus”, que diz “Mãe e Deus, à vocês cantamos: amplo é o seu ventre, quente é sua asa”. O website deles continha um vídeo de um pastor submetendo-se a um processo de mudança de gênero com o total suporte da igreja. A literatura deles explicitamente negava que Cristo é o único caminho para Deus dizendo que “Deus atua em nosso mundo através de um Espírito misterioso que não reconhece distinções nas portas de entrada de capelas cristãs; budistas; hinduístas; ou templos Sikh; cabana aborígene, mesquita islâmica ou sinagoga judaica”.
Nós não ficamos com aquele prédio. A construção foi vendida e, se eu entendi corretamente, logo virá a baixo. No fim das contas, os líderes denominacionais responsáveis pela venda não queriam o evangelho naquele prédio, eles queriam retirar dinheiro daquele prédio. Eles precisavam do dinheiro para ajudar duas outras congregações suas que inevitavelmente também acabarão.
Dois mil anos atrás, Paulo escreveu para o jovem Timóteo e contou a ele exatamente como essa igreja e muitas outras parecidas com ela morreriam. Ele também deu a Timóteo um dever que evitaria sua própria igreja de experimentar uma destruição similar e de hesitar com ouvidos coçando. Mas deixarei isso para um outro dia.

Por Tim Challies

sexta-feira, 16 de maio de 2014

Erro na canção de Aline Barros

 

Zé Luís

  * Caros leitores. Perdoem pelo excesso de aspas, mas foi necessário.

Tenho “conversado” com alguns “crentes” nas últimas semanas. Conversado pelas vias virtuais, é verdade. Lido muitos de seus comentários registrados nas redes sociais e tenho me deparado com algo desanimador: apesar do imenso acesso que essas pessoas têm à informação, muitas delas continuam “desinformadas” no que se refere a fé que confessam ter.

Sei que seria esperar demais que lessem algo que interpretasse o que não entenderam na Bíblia, ícone de todo aquele que se declara evangélico, já que não há como interpretar algo que nunca leem. O resultado disso é que, apesar dos bons passos iniciais que deram quando escolheram trilhar essa senda, se perderam numa confusa teia de escolhas oferecidas, que nada tem haver com o que está nas Escrituras.

Inicialmente, parece exagero se preocupar com desvios tão imperceptíveis do foco inicial. Mas como sabemos, o nome do Mestre também é Caminho e, em longas jornadas, pequenos alterações iniciais significam, a longo prazo, grandes distancias entre o que deveríamos trilhar e onde estamos andando. Geralmente, quando nos damos conta de onde estamos, não vendo mais a presença Daquele que inicialmente estava ao nosso lado, entramos em crise. Garantimos ter feito tudo certo, e mesmo assim, algo deu errado. Culpamos Deus por nossa falta de compreensão, e em muitos casos dentro das comunidades - ditas – cristãs, deixa-se de crer na em sua existência. Muitos neo-ateus brotaram dessas “igrejas”.

Em todo o antigo testamento - e mesmo em Jesus, a cobrança por parte de Deus é para os que encabeçam e detêm as informações sobre Ele. Cristo, mesmo sendo o príncipe da paz, não economiza palavrões quando se refere as práticas dos fariseus da época: víboras, sepulcros lindos por fora, mas podres de carniça por dentro. Seu olhar é totalmente diferente àqueles que fizeram da religião uma profissão. Possivelmente, independente do século que encarnasse, os tais “crentes” o crucificariam assim que pudessem: Ele não era dado a politicagem, a fazer pequenas homenagens a líderes políticos/religiosos para conseguir pequenos apoios em seus sermões e gente que financiasse seu ministério. Na verdade, chamava-os para prestar contas do porquê de não estarem dando ao povo aquilo que “Ele” havia ordenado (como se Ele fosse Deus, o autor do que estava escrito).

Como exemplo, usarei o refrão de uma canção interpretada por Aline Barros (cantora dona de uma linda voz e que não tenho nenhum tipo de observação negativa a ponderar): ”Ressuscita-me”.

Escolhi essa música especialmente por ser cantada justamente por ser reconhecidamente uma cristã genuína, e dona de um testemunho exemplar em seu meio (lógico: sempre haverá aquele com meia dúzia de pedras em seus bolsos procurando testas a serem apedrejadas e trará aqui motivos para usar seu conteúdo).

“Remove a minha pedra e me chama pelo nome” canta Aline, nos emocionando com sua voz forte, enquanto milhares de pessoas fazem coro, declarando a canção que já tirou lágrimas de celebridades como Xuxa e Eliana.

Mas não querendo ser chato...;-)

O trecho bíblico no qual o autor da letra se inspirou refere-se a passagem onde o amigo de Jesus, o defunto Lázaro, volta a vida após quatro dias, obedecendo à ordem de Cristo.

O detalhe é que Jesus ordena aos presentes para que estes removam a pedra que tampa o sepulcro. Ele não o faz. Uma das irmãs de Lázaro ainda tenta convencer o Rabi a desistir da ideia: “Quatro dias? A catinga está demais!” A música pede para que Cristo o faça.

Ele não põe a mão a fazer aquilo que um homem pode. Ele ressuscita o morto, o milagre é dele. Coisinhas que homens e mulheres podem, eles devem fazer. Ir até onde é humanamente possível, apesar do peso que a tal pedra possa ter e o esforço a ser despendido nessa ação.

A letra peca nesse pequeno detalhe, pois ilude o que crê na esperança de que Deus fará aquilo que eu posso, mas ando indisposto. Essa pequena distorção de compreensão fará diferença em momento de sua peregrinação. Você pode esperar eventualmente algum milagre, mas não pode esperar que Ele faça as coisas que você, até com certa dificuldade, pode.

Você pode orar por chuva, mas não pode fazer ela acontecer. No entanto, seria de bom grado, já que orou e crê que pode acontecer, levar um guarda-chuva para eventuais respostas divinas.

Ainda sobre milagres, muita gente morreu durante a estada de Jesus entre os homens, mas registros de ressurreição foram bem poucos em relação aos que faleciam. Há propósito nas ações do Messias.

Não é porque Jesus é capaz de multiplicar pães e peixes que você deve abandonar o trabalho que te sustenta e viver apenas das ações sobrenaturais que o Mestre é capaz de oferecer.

Se você, dentro desse pequeno exemplo, percebeu que seu entendimento sobre o “modus operandi” de Deus é diferente do que esperava em sua vida, pense no imenso mar de informações deturpadas que podem te levar a becos sem saída, simplesmente porque fez escolhas que julgava absolutas e nada mais eram que as interpretações – errôneas? - de alguém que também não conhecia integralmente o assunto no qual se aventurou a divulgar, sem ter ideia que a pequena distorção poderia causar um estrago relativamente grande.

Pastor Lucinho - Como Surgiram as Outras Famílias

   
Será que ele tem noção o que essa explicação pode causar???







O autor do vídeo afirma que existem 3 teorias sobre as mulheres de Caim e Abel, mas na realidade existem quatro e a quarta que não foi mencionada é mais correta porque tem fundamentação bíblica. Em Gn. 6: 4 a Palavra afirma que “E foram os dias de Adão, depois que gerou a Sete, oitocentos anos, e gerou filhos e filhas”.
Qualquer estudante do primeiro semestre de um curso de teologia, e não precisa ser dos melhores, sabe que a Bíblia quando trata de genealogia somente cita nomes de homens, observando uma prática das culturas da época. Em qualquer genealogia não encontramos nomes de mulheres, porque isso não fazia parte do costume da época. Assim sendo, a Bíblia nos informa somente sobre homens e suas genealogias. Então Deus não precisava criar mulheres para Caim e Abel, pois Adão e Eva já haviam feito isso. Fica a pergunta: “Irmãos casavam com irmãs, primos com primas etc.?” A Reposta é um sonoro sim. Para cumprir a ordem de multiplicar e povoar a terra esse era o método normal e não havia outro que pudesse substituir. O problema de casamentos entre parentes e a consequente geração de filhos com possíveis problemas não remonte aos primórdios da história da raça humana, mas é bem posterior a isso.

2 - Quando estudamos teologia e isso não é conhecimento oculto somente para os sábios e suprassumos do saber, mas está ao alcance de todos, aprendemos que Deus trabalhou na criação até o 6º. Dia e depois descansou. Isso implica que Ele não mais criou coisas ou pessoas imediatamente, pois isso havia terminado com a criação do homem. Daí para frente Deus continua Deus criador, não mais imediatamente, mas mediante aquilo que foi criado por Ele, ou seja, Deus continua criando homens e mulheres através de seus pais, continua criando as ervas do campo através do polinização. Então o Criador nunca criaria mulheres para Caim e Abel fazendo-os dormir e tirando destes suas companheiras como fez com o primeiro casal.

3 - Deus não poderia criar esposas para Caim e Abel conforme crê o pastor do vídeo. Deus na concepção do autor do vídeo pode fazer qualquer coisa indiscriminadamente. A onipotência de Deus está limitada pela sua própria natureza. Assim sendo, ele não poder fazer aquilo que vai de encontro a sua natureza como: pecar, mentir, negar a si mesmo, criar uma pedra tão pesada que Ele não consiga carregar, criar um círculo quadrado ou uma água seca. Então essa concepção que Deus pode fazer tudo indiscriminadamente é infantil e enganosa. Assim sendo, Deus nunca poderia criar esposas para Caim e Abel, pois se tivesse feito estaria quebrando seu descanso e mesmo introduzindo na raça humana mulheres ou seres humanos sem pecado, ou seja, as prováveis mulheres criadas por Ele para Caim e Abel não participariam da natureza pecaminosa de Adão e ai seriam sem pecado, podendo neste caso, não pecar.
Vamos especular um pouco. Se tivessem sido criadas tais mulheres e estas soubessem do horror e tragédia do pecado, poderiam optar por não pecar. Se isso acontecesse tais mulheres não precisariam de um Salvador e portanto a morte de Cristo na cruz não as alcançaria com seus efeitos benéficos. Seriam seres na condição primeira de Adão e Eva vivendo em um mundo contaminado pelo pecado não precisando de serem salvos. Dia concluirmos que Deus nunca criaria diretamente mulheres para Caim e Abel, pois estaria negando seu plano eterno que implicaria na morte de Cristo pelo ser humano pecador. Portanto, todos os seres humanos após Adão e Eva nascem pecadores e por isso pecam e daí necessitarem de um salvador que é Jesus Cristo.

4 - Adão e Eva foram os representantes da raça humana e o que eles fizeram de errado no Éden foi imputado/repassado para todos os seus descendentes. Dentro do plano de Deus este nunca poderia ter perdoado o homem como um ato de sua soberana vontade, como se dissesse após o pecado: “Eu perdoo vocês pelo pecado cometido”. Não poderia fazer isso porque a ofensa dos primeiros pais humanos implicava em ter de cumprir a justiça de Deus para se alcançar a salvação, e isto foi conseguido na pessoa de Cristo que exerceu a obediência passiva e ativa, sem a qual nunca haveria salvação para ser concedida ao homem. Assim se houvesse criação de seres após o pecado, o plano salvífico de Deus seria anulado e este seria um ser frustrado porque não haveria outro plano de salvação a ser realizado, porque haveria seres humanos sem pecado andando pela face da terra, desconhecedores da vileza do pecado e ao mesmo desconhecedores da graça salvadora de Cristo. Este plano de salvação implica na vinda, morte e ressureição de nosso Senhor Jesus Cristo. Sem isto não há salvação para o homem.
Gostaria de tecer mais alguns comentários, mas deixo isso para outros que queiram aprofundar um pouco mais nestas questões.
Vale o alerta que Tiago nos diz em sua epistola: “Meus irmãos, muitos de vós não sejam mestres, sabendo que receberemos mais duro juízo”. Tg. 3:1

Soli Deo Gloria

Pr. Luiz Fernando R. de Souza

quinta-feira, 15 de maio de 2014

Universal tira Pr. Silas Malafaia do ar após 32 anos.



Universal tira Pr. Silas Malafaia do ar após 32 anos. Pr. Silas diz que não vai falar mal do bispo Macedo o todo poderosos da Universal. E que tambem não falará mal da Universal por causa disso. Mas arremata. A Record é usada pelo diabo.

Obs da Rô: O diabo é sempre o outro, parafraseando Sartre.




Fonte: Blog da Rô



quarta-feira, 7 de maio de 2014

Cristianismo

 
"Eu não fui atrás da religião em busca de felicidade. Eu sempre soube que uma garrafa de vinho do Porto faria isso. Se você quer uma religião para lhe confortar, eu certamente não recomendo o cristianismo." - C.S. Lewis

  O cristianismo não é uma mera filosofia ou estilo de vida, da qual nos apropriamos para dar um certo tom, significado ou até trazer felicidade para a nossa vida. Reduzir a fé cristã a isso é limitá-la ao nosso designo. É uma filosofia de negação e morte. É morrer para si mesmo, abrir mão da nossa vontade diariamente para que a vida e a obra de outro cresça em nós.
Ser cristão não é apenas adquirir hábitos que melhoram nossa qualidade de vida. Ser cristão é ter um relacionamento íntimo com a pessoa de Jesus Cristo, sua história, sua obra e sua lei, que é contrária à nossa. É por meio de um relacionamento pessoal e íntimo com Ele que aprendemos como morrer para nós mesmos para que possamos viver eternamente por meio do mérito e da vida dEle, e não da nossa.
Eu morro para mim mesmo hoje para que eu tenha uma vida eterna com Ele amanhã e por toda a eternidade.

   "Não é tolo o homem que abre mão daquilo que não pode guardar para ganhar aquilo que jamais poderá perder." - Jim Elliot

terça-feira, 6 de maio de 2014

Drogas e prostituição nos Gideões - Pr Cesino Admite

   Boa tarde Graça e Paz, essa noticia tem dado o que falar nesses dias, em um determinado momento o Pr Cesino fala que as "cantoras e cantores estrelas" não apareceram , então quer dizer que se olharmos nos últimos anos quem cantou  e agora não apareceu foram esses que foram a motéis?? Foram esses que trouxeram o escândalo ???

   E será que tudo isso que esta saindo da boca desse homem é verdade ??

   Que Deus tenha misericórdia de todos.

O Congresso de Camboriú e a admissão de culpa mal contada!

Ele falou, mas não falou!
Por Gutierres Fernandes Siqueira

Todos estamos sujeitos a um dia admitir culpa publicamente. Somos humanos, demasiadamente humanos. Aliás, a confissão de pecados é uma virtude. O estranho é a confissão simulada ou dissimulada. É o que aconteceu no último 32º Congresso dos Gideões Missionários da Última Hora (GMUH). O pastor Cesino Bernardino, presidente daquele evento, admitiu publicamente que pastores pregavam bêbados e se prostituíam com cantoras no final dos cultos da Igreja de Camboriú. Isso veio a confirmar as graves denúncias feitas pelo pastor e rapper Juninho Lutero sobre os bastidores do Gideões Missionários da Última Hora.

Agora nasce a questão: se o rapper nada tivesse dito haveria essa admissão? Por que tanta demora? Houve alguma ação efetiva para disciplinar essas pessoas? Ou tudo não passa de um jogo de marketing? É para “inglês ver”?

Na denúncia do rapper falava-se que alguns pastores pagavam para pregar. Isso mesmo, como o Congresso tem visibilidade, alguns sujeitos embriagados pela conquista da fama e do prestígio pagavam para pregar nesse concorrido congresso. E aí? Pagavam para quem? Essa parte da denúncia não foi comentada pelo pastor Cesino Bernardino.

Valeria a pena não uma frase rápida e evasiva em cima do púlpito, mas sim uma nota longa e bem explicada sobre essas graves denúncias. Além disso, valeria também uma explicação sobre ações que a Igreja de Camboriú vem tomando para evitar a repetição desses malefícios.

Se o problema nesse Congresso fosse apenas moral já seria ruim o suficiente, mas é também doutrinário. Infelizmente, o Congresso dos Gideões Missionários da Última Hora é o catalisador do pior tipo de pentecostalismo existente: herético, sem compromisso com a exposição bíblica, megalomaníaco, viciado em showmans, etc. Não é à toa que grandes expoentes do pentecostalismo nunca foram convidados para pregar naquele circo. Você imaginaria um pentecostal sério como David Wilkerson expondo as Escrituras naquele lugar?

Redes Sociais

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...