Cinco Votos para Obter Poder Espiritual.

Primeiro - Trate Seriamente com o Pecado. Segundo - Não Seja Dono de Coisa Alguma. Terceiro - Nunca se Defenda. Quarto - Nunca Passe Adiante Algo que Prejudique Alguém. Quinto - Nunca Aceite Qualquer Glória. A.W. Tozer

quarta-feira, 6 de abril de 2016

Deus Ama Todos, mas não Salva Todos!

 


Recentemente, recebi a seguinte mensagem:
Paz e Graça, Pr. Marcos.
Eu tenho uma dúvida sobre 1Timóteo 2.3-4. O senhor disse certa vez que esse texto significa que Deus realmente quer que todos os homens se salvem e venham ao conhecimento da verdade.
Entretanto, acho que isso contraria a doutrina da eleição incondicional. Veja a contradição no silogismo abaixo:
1) Deus escolhe os eleitos de acordo com a sua soberana vontade;
2) Deus quer que todos os homens se salvem;
3) Deus escolhe apenas alguns para a salvação.
Conclusão: a vontade de Deus NÃO foi satisfeita. De acordo com esse raciocínio, haveria algo maior que limitaria a vontade de Deus. Logo, parece-me que o único meio de o calvinismo resolver essa questão é dizer que no texto de 1Timóteo 2.3-4 “todos os homens” não significa “todos”. Se significasse, a vontade de Deus seria limitada por algum fator. Que fator seria esse?
Desculpe prolongar-me na pergunta. Aguardo ansioso pela resposta.
Irmão Z
.................
A pergunta do irmão Z circula pela cabeça de muita gente. Por isso, resolvi compartilhar com todos a resposta que enviei para ele:
Prezado irmão Z,
Obrigado por levantar essa importante questão. Espero poder ajudá-lo com o que escrevo a seguir.
De antemão, queria destacar que o silogismo não é a melhor maneira de se fazer teologia. Já usaram bastante esse método no período escolástico (quando tentaram casar teologia com filosofia) e o resultado não foi a obtenção de verdades bíblicas, mas sim um modelo tão distante das Escrituras que foi necessário o advento da Reforma pra tentar resolver um pouco as coisas.
Outra ressalva que quero apresentar é que eu creio sim que Deus quer que todos os homens sejam salvos. No entanto, penso que o texto de 1Timóteo não seria interpretado de forma absurda se entendermos “todos os homens” no sentido expresso nos vv.1-2. Veja com atenção esses versículos, em que Paulo manda orar por “todos os homens” e então dá um exemplo do que tem em mente, dizendo “em favor dos reis...”. Isso mostra que “todos os homens”, nessa passagem, pode sim se referir a classes de homens: reis, governadores, escravos, gentios, judeus... É esse o sentido claro de “todos os homens” no v.2 (aliás, seria impossível orar em favor de cada indivíduo que há no mundo) e pode muito bem ser também o sentido da expressão no v.4.
Mesmo assim, creio que Deus quer que todos os homens sejam salvos. Só estou dizendo que o texto de1Timóteo 2 não é o melhor texto para se defender isso, como pensam os arminianos.
O que eu disse, porém, leva à questão levantada por seu silogismo. Como se pode conciliar isso com a doutrina da eleição? Vou tentar explicar apresentando uma sequência de verdades:
1. Deus quer que todos os homens se salvem, pois é um Deus de amor infinito;
2. Deus quer também mostrar a sua justa ira sobre a humanidade pecadora — Rm 9.22 (essa parte dos fatos não foi levada em conta no seu silogismo);
3. Para conjugar esses dois anseios, Deus age não com base em suas “inclinações” (somente seu amor ou somente sua ira), mas sim por meio de um decreto eletivo (o beneplácito ou conselho de sua vontade, mencionado em Efésios 1). É aí que sua vontade afetiva cede lugar à sua vontade decretiva;
4. Assim, por meio da eleição, Deus realiza tanto o seu amor infinito como a sua ira justa.
Veja que, para entender isso, é preciso considerar que Deus quer TAMBÉM mostrar sua ira contra o pecado. Os arminianos não entendem (ou não aceitam isso), pois pintam um deus meio papai-noel, que só quer mostrar amor — um deus criado pela mentalidade popular. Eles erram não obedecendo ao que Paulo diz emRomanos 11.22: “Considerai, pois, a bondade e a SEVERIDADE de Deus...”. Note que seu silogismo o deixou numa situação difícil porque você não considerou a severidade de Deus, mas somente sua bondade. Aí se deparou com o dilema de qual fator impede a suposta vontade de Deus de somente salvar. Quando, porém, se olha para o ensino bíblico completo, percebemos que a vontade completa de Deus (que envolve salvar e PUNIR) não foi frustrada. Antes, pela eleição, seu desejo de salvar e seu desejo de punir foram ambos satisfeitos.
Agora, gostaria de olhar para o problema que você apresentou destacando o drama arminiano. Os arminianos insistem que Deus quer que todos sejam salvos e ponto final. O problema é que, obviamente, nem todos são salvos. Aí entra o problema que você levantou: qual é o fator que impede que a vontade de Deus se realize? A resposta arminiana é simples: o “livre arbítrio”, ou seja, a vontade humana impede que a vontade divina se realize. Opa! Você percebe aonde estamos chegando? A vontade humana impede que a vontade divina se realize!
Isso já é de doer, mas os arminianos saem dessa muito facilmente, dizendo: “Deus permite que seja assim porque ele respeita a vontade humana e, por isso, deixa a decisão com o homem”. Opa! Como é que é? Um Deus de amor, cujo único desejo é salvar todos, vê milhões de pessoas tomarem uma decisão que as leva ao inferno eterno e ele as deixa seguir em frente por respeito!!!
Traga isso para nossa experiência humana. Eu vejo uma pessoa tomar a decisão de beber veneno. Então, como eu a amo muito e respeito sua liberdade, eu permito que ela beba. O que você acha? Tudo bem pra você? Sabendo disso, você diria: “Que pessoa fantástica é esse Granconato! Quanto respeito ele tem pela liberdade das pessoas!”. Você diria isso? Ora, por favor! Em vez disso você me perguntaria: “Pastor, por que você não a impediu? Como pôde ser tão indiferente e deixá-la seguir naquela decisão maluca?”. Se eu respondesse que agi assim por amor e respeito você não diria que eu sou louco?
Pois bem, o deus arminiano é assim: ele deseja apenas salvar a todos, mas, por “respeito”, ele permite que milhões tomem o veneno sem fazer nada, deixando tudo para o homem decidir. Quem decidir ter fé, sorte dele. Quem não quiser ou não conseguir ter fé, sinto muito...
Já o Deus bíblico interfere. Ele sabe que os homens, por causa da natureza pecaminosa e da corrupção de seu coração, se forem deixados à mercê de si mesmos, todos optarão por tomar o veneno. Então ele interfere, livrando milhões de pessoas, falando ao coração delas, convencendo-as do perigo, trabalhando docemente em sua vontade, quebrantando sua mente perversa, concendendo-lhes a fé (dom de Deus), chamando-as pelo nome com sua doce voz e conduzindo-as ao Filho.
Por que esse Deus não age assim com todos? Porque ele quer também mostrar sua ira.
Por que ele escolheu a mim para mostrar seu amor e ao meu vizinho para mostrar sua ira? Esse é o abismo da cruz! Nada de bom foi visto em nós. Eis o mistério! É a graça totalmente gratuita. Diante do abismo eu me curvo com uma mente cheia de perguntas (por que ele me escolheu?), mas também com o coração cheio de gratidão (obrigado porque o Senhor me escolheu).
Bem, acho que já escrevi muito. Espero ter ajudado um pouquinho.
Deus o abençoe em sua busca. A teologia da salvação é uma aventura fantástica. Espero que você cresça nesse caminho e vibre com as verdades da graça inescrutável do nosso soberano Deus.
Abraço fraternal,
Pr. Marcos Granconato

Fonte: Site Igreja Batista Redenção 


Redes Sociais

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...