Cinco Votos para Obter Poder Espiritual.

Primeiro - Trate Seriamente com o Pecado. Segundo - Não Seja Dono de Coisa Alguma. Terceiro - Nunca se Defenda. Quarto - Nunca Passe Adiante Algo que Prejudique Alguém. Quinto - Nunca Aceite Qualquer Glória. A.W. Tozer

quarta-feira, 29 de março de 2017

Meu marido diz que está arrependido... como eu vou saber?

Resultado de imagem para casal separados no sofa 

Difícil responder isso em algumas linhas... resposta assim merece vários sermões ou  um livro...  mas...

"A tristeza segundo Deus produz um arrependimento que leva à salvação e não remorso, mas a tristeza segundo o mundo produz morte. Vejam o que esta tristeza segundo Deus produziu em vocês: que dedicação, que desculpas, que indignação, que temor” - 2 Coríntios 7: 10-11


Se um cônjuge tem sido infiel; Se um cônjuge está "se dizendo arrependido" e prometendo nunca mais fazer novamente, o que é que um cônjuge fiel deve fazer? Como um marido ou esposa pode saber se seu cônjuge entrou em um real  arrependimento bíblico?

É uma pergunta importante. É comum que em momentos de crise no casamento, um cônjuge possa fazer algumas pequenas mudanças na direção certa somente até que a sensação de crise passe. Então ele ou ela, vai de volta a velhos hábitos e ao comportamento ofensivo e abusivo.

Este é um relacionamento que se tornou definitivamente abusivo. Quando você sabe que o que você está fazendo é frustrante para seu cônjuge ou mesmo o torna miserável, e você faz apenas o suficiente para “manter” o casamento e poderem viver juntos, para que você possa finalmentecontinuar a torná-lo miserável, não é só espiritualmente doente e pecaminoso. É malicioso. "Eu não vou deixar você ir, vou apelar para seu cristianismo, Deus... mas eu também não vou mudar." Eu não posso dizer isso com força suficiente : é uma desordem espiritual monstruosa tratar alguém, muito mais sendo o seu cônjuge, o teu ‘próximo mais próximo”, desta forma. Isto é sobre você e Deus antes que seja sobre você e seu cônjuge. Se este é você, é um estado de rebelião deliberada contra Deus e Ele está simplesmente usando seu cônjuge para ajudá-lo a ver o que você se tornou, quanto a escuridão tomou teu coração.

O conselho bíblico sempre é um chamado a um fim ao mal. (mudança final precisa acontecer – e esse deve ser o conselho de todo conselheiro bíblico) Ao invés de involuntariamente oferecer uma plataforma para o mal para continuar (apenas melhorar  um pouco para que seu cônjuge não fique tão irritado e não se separe de você), a mudança deve expressar o coração de Cristo para com sua noiva.

Se eu me sinto ressentido com o meu cônjuge por me chamar para me tornar mais como Cristo, em última análise, eu estou ressentido  é  com Cristo; Significa, no fundo do coração, que eu realmente gostaria que Cristo fosse diferente, ou que Ele não me chamasse para ser como Ele. Essa atitude precisa ser confrontada, não minimizada só para a traição ser perdoada e o casamento mantido. E me todas as coisas e compõe a vida... o cônjuge, todos nós, é chamado para se tornar mais como Cristo.

O casamento cristão é uma forma intensa de comunhão cristã. O que você precisa em sua vida é alguém que entre em sua vida e diga:  "Eu te amo. Eu estou também animado com o que Deus está fazendo com você.

Eu vejo a grande coisa que Deus está fazendo em sua vida, e isso me excita. Eu quero ser parte disso. Quero me associar com Cristo para ajudá-los a crescer na graça e tornar-se isso,  e eu quero que vocês se associe com Cristo no mesmo propósito na minha vida, para que algum dia nós fiquemos diante do Trono e todas as coisas ruins, todos os pecados e falhas, terão caído, e nós finalmente seremos as pessoas que Deus realmente nos criou para ser.

Seremos belezas absolutas, e nós vamos nos olhar um ao outro e dizer: “Eu sempre soube que você poderia ser assim.' "

Esse é o objetivo do casamento. Portanto deve ser objetivo básico no arrependimento.

Se um casamento vai ser reconstruído após a confiança ter sido repetidamente quebrada, ele tem que ser reconstruído em arrependimento real. O cônjuge ofensor tem de demonstrar o seu horror com o que eles fizeram indo com velocidade na direção oposta, não tomando uma volta de alguns graus simplesmente para mostrar um pouco de "progresso".

Isto é verdadeiro para edições principais e menores, a um grau diferente. Se e eu estou realmente arrependido, essa realidade começa parecer cedo e rapidamente. Se a questão, por exemplo,  é dizer coisas prejudiciais, não é "arrependimento" dizer coisas prejudiciais um pouco menos frequentemente. O arrependimento real é parar definitivamente a linguagem abusiva, parar completamente e intencionalmente dizer coisas boas, encorajadoras e louváveis.

O verdadeiro arrependimento revela uma verdadeira transformação do coração; Nosso cônjuge pode ver a mudança não apenas em nos ouvir dizer que pretendemos mudar. 

O verdadeiro arrependimento continua operando no cônjuge ofensor que possui as suas faltas. É comum para mim ver um cônjuge que agiu deploravelmente começar a se ressentir de ter o holofote colocado sobre ele ou ela e, portanto, responder dizendo: "Você sabe,  ela (ou ele) também não é perfeita".

A parte sarcástica em mim quer dizer: "Realmente? Eu pensei que eles eram sem pecado. E você seria fiel se ela fosse perfeita. Pois então você está declarando que será infiel em toda a sua vida neste mundo. O que você espera? – diria eu - Bem, isso muda tudo. Vamos esquecer sua deplorável perversidade e traição até conseguirmos que a pessoa com quem você está casado seja um pouco mais paciente e espiritual quando você a machuca persistentemente? Vamos esquecer tua atitude deplorável até que o outro seja perfeito? Auto-comiseração é péssimo sinal para alguém que se diga arrependido.

Se eu fizer de um cônjuge sem pecado a exigência do meu arrependimento e mudança, então eu nunca vou ter que me arrepender de fato,  e o casamento vai ser miserável, abusivo e marcado por traições. O que biblicamente, ninguém é obrigado a se sujeitar.  Raciocinar assim não é arrependimento, é deboche.

Evitar mudar uma falha grave porque seu cônjuge tem uma menor é um arrogante truque espiritual que alguns cônjuges usam para evitar ter que mudar realmente. É uma grande ofensa contra o amor. É um deboche ao Deus que instituiu o casamento.

Uma terceira marca de arrependimento real é que um cônjuge vai acolher, sem ressentimento, maior responsabilidade. Se você diz que não está olhando pornografia ou contatando um flerte anterior (ou pior), mesmo que socialmente... por redes sociais.... então você não deve ter qualquer problema em deixar seu cônjuge pegar seu telefone ou IPad... e percorrer as mensagens ou histórico. Não há nenhuma razão boa que fizesse eu me importar,  se minha esposa olhar cada aplicação e uso dos meus dispositivos eletrônicos, smartphone... Se ela descobrir que eu comprei para ela um presente de aniversário surpresa, isso é sobre ela. Não há nenhuma boa razão para eu ter medo se ela verificar onde eu estive na Amazon ou Netflix ou navegar na web. Por que eu me importaria se não houvesse algo que eu não queria que ela visse? E por que eu não iria querer que ela visse tudo que eu faço por esses meios?

O segredo está escondendo e, por definição, é o oposto da intimidade. Algumas pessoas pensam que podem ter seu "pecado particular" e as afeições íntimas de seu cônjuge, mas isso é uma mentira. O arrependimento é, na raiz, uma escolha: "Escolhe neste dia a quem irás servir". Você está chamando seu esposo para compartilharem tudo, até suas mentes: eles querem se casar, ou não? Você não está interessado em um quase-casamento onde eles são metade um ser independente e metade cônjuge. Você estará sendo um com ele, respondendo com graça, perdão e generosidade, mas eles ( maridos – esposas ) têm que aceitar o curso principal do casamento antes de começar a apreciar suas sobremesas e maravilhas.

Você vê, isso é arrependimento real. Esse é um homem que percebe o dano que ele tem feito e o dano que ele é capaz de fazer novamente, então ele aceita a responsabilidade. Seu desejo de parar de machucar a esposa é maior do que seu desejo de "gozar" o pecado que a feriu.” ( Sem falar na relação com Deus – onde Sua glória foi pisada e seu Nome difamado ) Se ele sabe que o último desejo ainda não é completamente inexistente, então ele toma medidas concretas para se proteger e finalmente proteger sua esposa de mais dor.

Um marido que conseguiu perdão e repetiu o erro... acabou por desenvolver  uma percepção  de controle sobre sua esposa até que uma separação o acordou. Eu disse a ele que ele tinha que estar mais preocupado com o bem-estar de sua esposa do que sobre o seu retorno.

"Se você realmente a ama, você não deve querer que ela volte até que você saiba que ela não será prejudicada por esse comportamento nunca mais."

Ele mais tarde me disse que a sentença bateu nele como uma marreta e ele repetiu isso para si mesmo até que fosse verdade. Ele realmente não queria que sua esposa concordasse em viver junto, até que estivesse certo de que havia uma mudança de coração suficiente para protegê-la de seu antigo comportamento. Hoje eles estão de volta juntos e desfrutando da melhor época de seu casamento até à data. Por quê? O arrependimento real conduziu à graça, à misericórdia e à cura.

Se você é o cônjuge ofensor e seu cônjuge está disposto a continuar com você, você lhe deve arrependimento real. Não é uma pequena mudança que deixe as coisas silenciarem no coração  por mais alguns meses, mas uma admissão de culpa, uma grande revisão do comportamento, responsabilidade concreta para manter a mudança e uma transformação do coração tão completa que você nem quer voltar a ficar juntos até Você estar relativamente certo de que, sob a graça de Deus, seu comportamento não tornará seu cônjuge mais miserável. Qualquer coisa menos não é arrependimento real. Ou seja, a tua preocupação não é com o que você perde... família, filhos, a vida comum... é o cuidado do outro como sendo seu próprio corpo.

Se teu cônjuge está no modo automático de dizer eu lamento, mas nunca mudando, você pode dizer com integridade: “Sinto muito, não é sobre o que você diz, ou sobre o que você sente. Biblicamente e em última análise é sobre  o que você faz”.

Quero terminar com uma palavra de Spurgeon sobre o divórcio. Muitas pessoas já perguntaram qual era a posição Spurgeon sobre o divórcio. Vivendo na era vitoriana, Spurgeon pouco falou sobre o assunto, e quando ele falou a respeito, na maioria das vezes foi apenas para condenar os efeitos maléficos do divórcio nas famílias, na sociedade... Certamente ele lamentou grandemente o divórcio e jamais o incentivou.

Este fato claro na vida de Spurgeon levou alguns a pensarem que ele acreditava que o divórcio nunca era justificável, e que pessoas divorciadas, por quaisquer motivos, nunca foram autorizados a se casar novamente. Mas essa não era a sua posição.

Spurgeon partilhava o mesmo ponto de vista sobre o divórcio que a Confissão de Westminster. É o ponto de vista clássico da maioria do teólogos reformados. Em outras palavras, Spurgeon acreditava em um novo casamento após o divórcio era permitido em casos raros. Quando o divórcio ocorre porque um parceiro é culpado de infidelidade marital notória, por exemplo, o parceiro inocente poderia e era permitido se casar novamente.

Novamente, Spurgeon abominava o divórcio e sempre ressaltou que este é um fruto do pecado e da dureza do coração humano, mas, como na cláusula de exceção bíblica, mostrou compaixão do inocente, ou seja, o parceiro fiel vítima de adultério. Na exposição de um dos seus sermões Spurgeon disse:

“Disse-lhes ele: Moisés, por causa da dureza dos vossos corações, vos permitiu repudiar vossas mulheres; mas ao princípio não foi assim. Eu vos digo, porém, que qualquer que repudiar sua mulher, não sendo por causa de fornicação, e casar com outra, comete adultério; e o que casar com a repudiada também comete adultério.” - Mateus 19:8-9

“Cristo claramente condena a promulgação permissiva do Estado Judeu naqueles dias. O estado se legislar contra a verdade de Deus – sobre o casamento, por exemplo – em nada muda o que Deus determinou sobre isso. Os homens estavam acostumados a repudiar suas esposas por qualquer motivo fútil e banal... Moisés insisti em uma “carta de divórcio” – sem uma, uma mulher poderia ser morta por adultério, por exemplo... e como por todo motivo banal o divórcio estava sendo feito, deveria ser realizado com uma deliberação e formalidade legal do estado. A exigência de um documento escrito, foi até certo ponto, uma concessão em cima de um mau hábito que estava tão enraizado nas pessoas que recusá-lo por completo teria sido inútil, e só teria criado um outro crime. A lei de Moisés – foi tão longe quanto poderia ir... mas era por causa da dureza dos corações que o divórcio foi tolerado, mas nunca foi aprovado.

Mas Cristo, o nosso Senhor, é pleno ao nos dar a verdade sobre isso. Ele proíbe o divórcio, exceto para o crime de infidelidade aos votos de casamento. O que deixa o inocente livre... Aquele que comete adultério faz por este ato a quebra da aliança dos votos matrimoniais, e então, e só então ele deve ser formalmente reconhecido pelo Estado (da única forma que Deus o diz ) como sendo rompida, mas por nenhuma outra razão um homem (ou mulher) pode se divorciar de sua esposa (esposo). O casamento é para a vida, e não para ser rompido, exceto por um grande crime que rompe diante de Deus o seu vínculo. Nosso Senhor jamais teria tolerado as leis ímpias de alguns Estados e nações, que permitem que homens e mulheres casados possam se separar por um mero pretexto, não sendo a exceção manifestada por Ele. Aquele que é divorciado por qualquer causa que não seja o adultério, e se casa de novo, está cometendo adultério diante de Deus, e isso independente do que as leis dos homens possam dizer.

Isto é muito claro, inequívoco e positivo, e assim a santidade de Deus é posta sobre o casamento que nenhuma legislação humana pode violar. Jamais podemos ser encontrados entre aqueles que absorvem novas ideias sobre o casamento, e buscar a deformar as leis de Deus sobre o casamento com leis humanas sob o pretexto de reformá-lo. Nosso Senhor sabe sobre isso infinitamente melhor do que os nossos modernos reformadores sociais. É melhor deixar as leis de Deus somente, pois nós nunca vamos descobrir nada que seja melhor, apenas descobriremos o que é destrutivo.”

Por: Josemar Bessa

***

Fonte: Site Josemar Bessa 


Redes Sociais

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...