Cinco Votos para Obter Poder Espiritual.

Primeiro - Trate Seriamente com o Pecado. Segundo - Não Seja Dono de Coisa Alguma. Terceiro - Nunca se Defenda. Quarto - Nunca Passe Adiante Algo que Prejudique Alguém. Quinto - Nunca Aceite Qualquer Glória. A.W. Tozer

quarta-feira, 27 de novembro de 2013

Mortificação Total



homemorandoPor Gustavo Abreu

   Conversando um tempo atrás com um amigo-irmão, entramos num assunto interessante sobre pecado. Falávamos sobre a dificuldade de sermos cristãos em meio aos ataques constantes do inimigo e confessávamos alguns pecados em busca de ajuda. No desenvolver do diálogo, lembrei-me de uma frase muito forte e verdadeira: “Você não mortificará nenhum pecado a não ser que, sincera e diligentemente, busque lidar com todo pecado.” (Tentação e Mortificação do Pecado- John Owen), essas palavras ampliaram a nossa visão sobre como vencer a carne e mortificar nossas vontades.
Infelizmente, muitos de nós agimos como reféns de nossas fraquezas e pecados, mesmo sabendo que não somos mais escravos do pecado: “Se pois o Filho vos libertar, verdadeiramente sereis livres” (Jo 8:36); muitas vezes caímos em tentação e sentimos o gosto amargo do peso na consciência e a tristeza gerada pela desobediência. Queremos de uma vez por todas estar livres daquilo que nos maltrata, seja uma mentira, uma tentação, uma preguiça, uma fofoca, uma falha de caráter e etc. Queremos o fim de certas coisas que fazem parte muitas vezes do nosso dia a dia, nos cerca quando estamos a sós e nos perturba, aquilo que é a nossa pedrinha no sapato, “espinho na carne”.
Embora tenhamos liberdade em Cristo, não nos foi dado o direito de escolher qual pecado mortificar. Como cristãos, precisamos fazer morrer tudo que é pecado e querer viver uma vida em santidade em Cristo Jesus. Portanto, é justamente aqui que John Owen entra, com uma explicação excepcional que nos ajudará a entender como de fato precisamos fazer morrer o pecado:
“Um cristão é provado por um desejo pecaminoso. Este desejo pecaminoso (pense naquele que melhor se aplica a você) perturba o cristão. Está sempre derrotando-o e rodeando-o de modo que ele aspira por uma libertação completa. Não apenas isso, ele luta, na verdade, contra esse pecado, ora e lamenta quando é derrotado por ele. Ao mesmo tempo, contudo, há outros deveres da vida cristã que ele não leva muito a sério. Pode passar dias sem desfrutar de verdadeira comunhão com Deus. Pode ler sua Bíblia de um modo casual, negligenciando a meditação na Palavra de Deus e gasta pouco ou nenhum tempo em oração.
Estes deveres negligenciados ou executados de modo indiferente na sua vida cristã são pecados (pecados de omissão), mas não o perturbam como o pecado do qual deseja ser liberto. Bem, o ponto que estamos procurando enfatizar é que o cristão não deve esperar obter libertação do pecado que o perturba enquanto não começar a tratar os outros pecados com a mesma seriedade.”
Quem quiser mortificar qualquer forma perturbadora de lascívia na sua vida, de modo completo e aceitável, deve cuidar de ser igualmente diligente na obediência a todos os deveres aos quais Deus o chama. Deve, também, saber que todo desejo pecaminoso, toda omissão no cumprimento do dever, entristece a Deus.
Enquanto houver um coração enganoso, que esteja preparado para negligenciar a necessidade de lutar pela obediência em cada área, haverá uma alma fraca que não está permitindo que a fé execute toda sua obra. Qualquer alma que se encontre numa condição tal de fraqueza, não tem o direito de esperar o sucesso na obra da mortificação.
Na continuação do livro, Owen fala sobre esse desejo em “mortificar o pecado”, como algo egoísta e falho, isso mesmo, egoísta porque o que queremos é apenas um momento de paz interior e um alívio para nossa consciência. Por esse motivo, não ganhamos a guerra contra a carne. Tememos as conseqüências de tal pecado, mas não observamos o amor de Cristo na Cruz, nem muito menos nos achegamos a um relacionamento sincero com Ele. Vivemos em função de uma libertação parcial, e não de uma cura total em nossa vida espiritual. Potencializamos o nosso pecado de estimação e esquecemos-nos dos pecados de negligencia com a palavra e oração. Essa negligência leva a frieza e ao individualismo, nos faz esquecer princípios básicos, e como uma planta que, quando não regada vai desfalecendo, assim são todos os que negligenciam a observar a palavra e vida de Cristo.
Se ficarmos bitolados a um pecado, em algum momento, as nossas forças não irão suportar e cairemos nele, ficaremos arrasados por ele e poderemos até mesmo, nos entregar a esse pecado. Não somos fortes o suficiente para vencermos se não estivermos com a vida alicerçada em Cristo e sua Palavra.
Portanto, assim como Cristo se entregou por completo, para nos salvar por completo, precisamos fazer morrer o nosso homem completo! Nossas orações precisam ser direcionadas para toda uma vida, “para toda uma morte”, pois assim teremos a verdadeira vida. “purifiquemo-nos de toda impureza, tanto da carne, como do espírito, aperfeiçoando a nossa santidade no temor de Deus” (2 Cor. 7:1).
Que Deus nos ajude a deixar de lado o que maltrata a nossa alma, para que possamos identificar tudo que maltrata ao Espírito Santo. Que Deus nos ajude, por meio do Espírito a chorarmos e ficarmos tristes, todas as vezes que passamos o dia sem ao menos falar com Ele e que isso tenha o mesmo peso, sintamos o mesmo arrependimento por esse pecado, assim como de outros.
Termino aqui, com o mais um trecho do livro de Owen: “Pense nas muitas maravilhosas manifestações da providência de Deus na sua vida. Pense nas provações que Ele transformou em bênçãos para você e nas provações das quais Ele o poupou. Pense em todas as maneiras como Deus o tem abençoado. Depois de todas estas manifestações da graça de Deus por você, poderia continuar a permitir que os desejos pecaminosos endureçam seu coração contra tal graça? Perturbe sua consciência com a ajuda de tais pensamentos, e não pare enquanto seu coração não estiver profundamente tocado pela sua culpa. Enquanto isso não se der, nunca fará esforços vigorosos para mortificar estes desejos pecaminosos.”

Redes Sociais

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...